terça-feira, 19 de junho de 2018

HUMOR DE MANÉ BERADEIRO - O CORPO HUMANO


Estou aqui pensando o quanto a língua portuguesa dá margem para criação. O corpo humano tem quarto (quadril)! Com certeza deverá ter cobertura (cabeça). Tem haal para quem chega (coração), área de serviço ( mãos, pés, olhos, cérebro), praça da alimentação (boca e estômago) e playground!

domingo, 17 de junho de 2018

EDITAL DO PRÊMIO LITERÁRIO ACLA 2018

1 – APRESENTAÇÃO
A Academia Ceará-mirinense de Letras e Artes “Pedro Simões Neto”- ACLA, numa ação de incentivo à literatura, valorização da cultura e contribuição para formação de leitores e escritores, promove o PRÊMIO LITERÁRIO ACLA 2018 nas categorias, conto, crônica e poesia, visando a participação dos educandos das redes de ensino: municipal, estadual, federal e particular do município de Ceará-Mirim, conferindo premiação aos vencedores durante a semana do município, entre 23 e 30 de julho de 2018.
2 – DAS INSCRIÇÕES:
2.1 – Poderão participar do concurso, alunos regularmente matriculados no Ensino Médio das redes municipal, estadual, federal e particular do município de Ceará-Mirim, mesmo que estes residam em outras cidades.
2.2 – Será permitida uma (01) inscrições por participante e o texto deverá ser, obrigatoriamente, de sua autoria e inédito, ou seja, nunca ter sido publicado, e tratar de Ceará-Mirim. Entende-se por publicação o processo de edição de uma obra literária em livro, jornal ou revista e sua distribuição em livrarias ou pela internet, ainda que a mesma não possua número de registro de ISBN (International).
2.3 – As inscrições terão início no dia vinte do mês de junho do ano de dois mil e dezoito (20/06/2018) e encerrar-se-ão, impreterivelmente, no dia cinco do mês de julho do ano de dois mil e dezoito (05/07/2018).
2.4 – Para se inscrever, o aluno deverá dirigir-se às bibliotecas José Pacheco Dantas e Pedro Simões Neto (CEU das Artes), no seu horário de funcionamento.
3 – DA FORMA DE PARTICIPAÇÃO:
3.1 – Cada texto entregue deverá ser impresso em 4 cópias, em uma lauda, digitado em tipo “Times New Roman”, tamanho da fonte (letra) 12, cor preta, estilo normal, parágrafo de alinhamento justificado, espaço entrelinha 1,5, todas as margens 3,0 e impressos em papel A4.
3.2 – Os textos deverão conter um título e apresentar um pseudônimo para o autor.
3.3 – Além dos textos impressos, deverá ser entregue, anexada, a ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada. Caso contrário, a inscrição será automaticamente desclassificada.
4 – DA ENTREGA DO MATERIAL:
4.1 – Os trabalhos deverão ser entregues nas bibliotecas José Pacheco Dantas e Pedro Simões Neto (CEU das Artes), no período de 20 de junho a 05 de julho do corrente ano. Horário de atendimento no final deste Regulamento.
4.2 – Os menores de 16 (dezesseis) anos, deverão ter a autorização dos pais ou responsáveis na ficha de inscrição, onde deverão apor as suas assinaturas.
4.3 – Não serão aceitas sob hipótese alguma, inscrições fora do prazo previsto neste Edital.
4.4 – Não participarão do Concurso pessoas ligadas à ACLA e aos avaliadores.
5 – DO JULGAMENTO:
5.1 – A comissão julgadora será composta por pessoas indicadas pela Academia Ceará-mirinense de Letras e Artes “Pedro Simões Neto”- ACLA, escolhidas entre intelectuais respeitados do Estado do Rio Grande do Norte.
5.2 – A decisão das premiações é de responsabilidade exclusiva da Comissão Julgadora, não cabendo ao participante recorrer dessa decisão, tampouco, não cabe à Academia Ceará-mirinense de Letras e Artes “Pedro Simões Neto”- ACLA, qualquer forma de esclarecimento referente à avaliação.
5.3 – Os critérios para avaliação da comissão julgadora serão os seguintes: Originalidade; criatividade e contexto.
5.4 – Serão automaticamente desclassificados os trabalhos cujo tema seja considerado ofensivo ou fizerem apologia ao uso de drogas ou violência; que tenham cunho político partidário; ou ainda trabalhos onde seja comprovada a não autoria do inscrito.
6 – DA DIVULGAÇÃO DA PREMIAÇÃO:
6.1 – Os resultados serão divulgados durante as festividades comemorativas da semana do município, no final de julho de 2018.
7 – DA PREMIAÇÃO:
7.1 – Os vencedores, em cada uma das categorias, conto, crônica e poesia, terão a seguinte premiação:
Kit com três livros de autores norte-riograndenses;
Publicação do trabalho na segunda edição da revista da ACLA.
8 – DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA
8.1 – A inscrição deverá ser precedida da apresentação dos seguintes documentos:
a) – Carteira de Identidade;
b) – Comprovante de residência
c) – Registro da matrícula
d) – Assinatura, na ficha de inscrição, do professor responsável.
8.2 – A mesma documentação do candidato deverá ser apresentada pelos pais ou responsáveis, quando se tratar de candidato menor de 16 (dezesseis) anos.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

HISTÓRIAS SENSITIVAS PARA ALUNOS DO COSTA E SILVA

"Eu preparo uma canção
Que faça acordar os homens
E adormecer as crianças"

Carlos Drummond de Andrade


Quarta-feira última, à tarde, o escritor e contador de histórias, Francisco Martins esteve na Escola Municipal  Presidente Costa e Silva,  onde a convite das Professoras Polliana e Mara, realizou uma oficina de Histórias Sensitivas com os alunos dos 5º anos do Ensino Fundamental.

Cabeças baixas  e olhos fechados para não fazer uso da visão

A experiência foi inédita para os alunos, que nunca tinham vivido algo desta natureza. Serem desafiados a escutarem a história, ouvirem sons, sentirem  sensações, sem saber  como as mesmas estão sendo produzidas.  Dois cinco sentidos, apenas a visão  não foi usada. Ao final todos os alunos receberam um folheto de cordel da autoria de Mané Beradeiro.

ESCOLA BRIGADEIRO EDUARDO GOMES EM PROFUNDAS RAÍZES

  "E olhando o seu rosto que também se encontrava cheio de lágrimas 
murmurei como um morto:
- Já cortaram, Papai, 
faz mais de uma semana que cortaram o meu pé de Laranja Lima.
(...) - Não faz mal, eu vou matar ele.
- Que é isso menino, matares teu pai?
- Vou, sim. Eu já até que comecei. 
Matar não quer dizer a gente pegar o revólver de Buck Jones e fazer bum! 
Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem.
 E um a dia a pessoa morre.”

          Hoje, dia 14 de junho de 2018, a literatura criou raízes na Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes.  Através de uma história extremamente triste, escrita por um lápis em matizes de verde, a mediadora Maria José convidou o multi artista Francisco Martins para a culminância do projeto "Meu Pé de Laranja Lima", obra que sinaliza a competência literária do escritor José Mauro de Vasconcelos.



          Na apresentação dos textos, dava pra ver os alunos de Nova Parnamirim ascendendo fortes caules no clássico que traz a história tão fortemente autobiografada.  Porque é assim mesmo: a literatura – para além do prazer intelectual, inegável – oferece algo diferente, potência guardada pela ficção e a poesia para disparar a imaginação. E foi assim mesmo com uma apresentação teatral de trechos do livro que ocorreu embaixo de uma frondosa árvore.  

        Depois, os alunos participaram de uma palestra com o título "José Mauro de Vasconcelos: Gente Nossa!" que prendeu a atenção dos pequenos leitores dos quintos anos. O pesquisador Francisco Martins, que exibiu, para a comunidade, todos os livros publicados do escritor que já morou em Natal, ganhou dos alunos uma camiseta comemorativa dos 50 anos do clássico!

          A todos da Escola Brigadeiro, desejamos resistência, firmeza, longevidade e equilíbrio, qualidades inerentes a um 'pé', a uma bela árvore. Deixa chover!







P.S.: "Meu Pé de Laranja Lima" vendeu mais de 2 milhões de exemplares só no Brasil, onde teve 150 edições nos mais variados formatos. Fez uma carreira invejável fora do País também: foi traduzido em 15 idiomas, entre eles, turco, coreano, catalão e mandarim. Foi publicado em 23 países, sendo que no Japão e na Coreia ganhou uma versão em forma de mangá (história em quadrinhos) e hoje foi sucesso na Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes na voz do também escritor Francisco Martins.

Fonte: http://www.riodeleitura.com.br/2018/06/escola-brigadeiro-eduardo-gomes-em.html?m=1

ASSIM DISSERAM ELES.....


"O homem é o que foi a sua infância. Ninguém se desprende dela. É o alicerce da vida, da alma humana. O poço onde cavamos as nossas riquezas espirituais e onde está a nossa imagem."

Nilo Pereira (1909-1992)

Referência:

PEREIRA, Nilo. A Rosa Verde. Recife-PE: Editora Universitária, 1982, p. 133.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

112 ANOS DA ESTRADA DE FERRO NATAL CEARÁ-MIRIM

112 anos completa hoje a Estrada de Ferro Sampaio Correia, que liga Natal a Ceará-Mirim. Foi inaugurada no dia 13 de junho de 1906, pelo Presidente Afonso Pena. O mesmo quando chegou em Ceará-Mirim assistiu vaquejada e subiu os degraus da Igreja Matriz, onde do alto das suas torres pode contemplar a beleza do vale.

domingo, 10 de junho de 2018

PEDIDO DE PERDÃO A INAH BEZERRA


Inah eu peço perdão por mim e por Nina pela audácia que tivemos de pegar seus cadernos e revelar ao mundo seus escritos.
Temos consciência da nossa petulância, mas se assim agimos, creia Inah, foi porque sabemos da magnitude das suas recordações, da beleza dos seus poemas, da importância dos seus registros.
Ah! Inah, não me venha mais em sonhos pedindo-me para não levar à frente tal projeto.
Deixe-nos mostrar que você continua viva em seus escritos, que o "Caderno de Pano" foi pequeno demais  para sua alma.
Os leitores dirão da importância do seu ofício de escritora, silenciosa, quieta, muitas vezes triste,  lendo e vendo o mundo que a cercava e com a visita do fantasma do  tempo que tantas vezes  adentrou em seu apartamento, em suas memórias.
Inah! Está decidido: Eu e Nina tocaremos seu ultimo livro: "Felicidade, meu eterno engano", póstumo, mas  belo e cativante como foi o seu olhar sobre a vida.

Francisco Martins


ANTONIO BASÍLIO: UMA ESCOLA CARINHOSA

Sexta-feira  última, o escritor Francisco Martins revisitou a Escola Municipal Antonio Basílio, no bairro de Passagem de Areia, Parnamirim-RN, com um único propósito: autografar os folhetos de cordéis que foram comprados pela comunidade escolar, por ocasião do evento que  ele realizou nessa escola, no dia 25 de maio (vide imagens abaixo). Naquela manhã, fiz apresentação do Palhaço Leiturino e autografei o livro  Doutor Buti. Avançado o horário, assumi o compromisso de voltar noutra data para autografar os folhetos.




 Naquele mesmo dia, quando recebi as fotos acima e outras mais, a  Professora Vânia Gomes da Silva Mendonça que atua como Mediadora de Leitura me presenteou com as seguintes palavras:

Quais palavras usar para agradecer a você pelo brilhante show que  fez hoje? Parabéns? Obrigada?Sucesso? Você é iluminado? Deus lhe abençoe grandemente?
Todas essas palavras são poucas para expressarem a minha gratidão, em nome de todos os que fazem parte do turno matutino do Basílio.
Ainda estou extasiada pela oportunidade de não apenas conhecer de pertinho você, a sua criatividade e todos os personagens que vi apresentar hoje. São uma série de números que não deixa a desejar a nenhuma artista, que já tive a oportunidade de conhecer. Leitura misturada com mágica, poesia, musicalidade e animais que nas suas mãos criam vida!
Não posso deixar de citar aquela mensagem magnífica, que fez com as cordas. Deus com certeza lhe abençoa, cada dia mais por saber que você não apenas leva alegria por onde passa, mas ensina também que através Dele vencemos qualquer problema.
Gratidão é a palavra que tenho para lhe oferecer. E no que depender de mim, você será ainda mais conhecido, divulgado e valorizado. Deus o abençoe e até breve.
Ananias e Vânia Gomes
 E na sexta-feira, retorno à Escola Municipal Antonio Basílio, onde sou recebido com extremo carinho. por crianças e adultos daquela escola. Cumpri o que prometi. Obrigado a todos!






 

quinta-feira, 7 de junho de 2018

POETA MANÉ BERADEIRO PREPARA CANÇÃO DO CANAVIAL

O poeta cordelista Mané Beradeiro, nome sob o qual respira Francisco Martins, já publicou 47 folhetos, sendo 38  no estilo de cordel e os demais são poemas de versos livres.  Os temas abordados pelo autor vão desde histórias bíblicas, ecologia, biografias, relacionamentos, afrodescendentes, política, folclore, etc Cada folhetotem o preço de R$ 2,00.
O autor pretende ainda esse ano lançar outros folhetos, todos no gênero de cordel, num total de 5 títulos:
  Juvenal Antunes: o feio poeta de belos poemas - cordel
  O novo rei - cordel-livro
  Dois doidinhos arruaceiros - gracejo - cordel
  Onde está a Madalena? Uma História de amor eterno - cordel
 


Precisamente há duas semanas, o poeta vem trabalhando em pesquisa para concluir o seu mais recente cordel que vai tratar sobre a história dos engenhos do vale de Ceará-Mirim. O Folheto vai ser uma importante ferramenta pedagógica nas mãos de professores. A primeira parte traz o texto de cordel, depois vem a relação com os nomes de todos os engenhos que existiram no antigo Vale de Ceará-Mirim, iconografia, textos  de escritores (Edgar Barbosa ,Nilo Pereira, Madalena Antunes) em prosa, correlatos com o tema abordado e por fim a bibliografia consultada. O lançamento desse trabalho ocorrerá em julho, quando a cidade completa aniversário. O título será: Canção do Canavial no Brioso Vale do Ceará-Mirim - origem, apogeu e decadência dos seus engenhos.


quarta-feira, 6 de junho de 2018

PAULO CALDAS NETO LANÇA HOJE SEU LIVRO DE CRÔNICAS

A Biblioteca Pública Municipal Dr. José Pacheco Dantas vai receber na noite de hoje amigos e admiradores do escritor Paulo Caldas  Neto, que estará lançando seu mais recente trabalho:  "Peixe Vivo Fora D'Água", crônicas. Sucesso ao escritor Paulo Caldas Neto.

CARAVANA DE ESCRITORES PARA OS PEQUENINOS ACONTECEU ONTEM

Francisco Martins e Amanda Maria estiveram na manhã de ontem, a convite do projeto Caravana de Escritores Potiguares, na escola municipal Dr. Lavoisier Maia, no distrito Hortegranjeiro, próximo a Pium, município de Nísia Floresta-RN.
Os alunos são do Fundamental I e acolheram com muita alegria a Caravana de Escritores Potiguares que chegou trazendo em sua bagagem o livro infantil "Os Mongos estão levando as nossas coisas", do escritor Pedro Balduino, que foi distribuído para todas as crianças. Após a fala do escritor Thiago Gonzaga, responsável pelo projeto, Francisco Martins e Amanda Maria contaram histórias para as crianças fazendo uso dos seus recursos lúdicos e encantadores.



O encontro começou um pouco mais tarde do que o previsto, por volta das 9h 30m e  teve duração de 1 h. Após o evento a Direção da Escola serviu um lanche aos visitantes.
Os pequenos leitores com o livro de Pedro Balduino



sexta-feira, 1 de junho de 2018

CONHEÇA MINHA PRIMEIRA PROFESSORA


 Maria das Neves Silva dos Santos (Dona Nevinha)
Por Gerinaldo Moura da Silva

Enquanto o panorama mundial estava revestido pela Segunda Grande Guerra, marcadamente alguns acontecimentos vão levar os Aliados à vitória que se avizinhava, tais como a rendição da Itália e a libertação da França, no pacato município de Ielmo Marinho (RN), nascia Maria das Neves Silva dos Santos, mais precisamente no dia 06 (seis) de janeiro do ano de 1944, filha do casal Tomé Ribeiro da Silva (in memoriam) e Severina Borges da Silva (in memoriam), de cujo matrimônio nasceram os seguintes filhos: Maria Ribeiro da Silva, José Ribamar da Silva, Júlio Ribeiro da Silva, Noêmia Ribeiro da Silva (in memoriam), Maria de Lourdes Ribeiro da Silva, Juarez Ribeiro da Silva e Maria da Conceição Borges Leonardo.
Por conta das dificuldades existentes na região e ainda pela grande crise proveniente da 2ª Guerra, as escolas eram quase inexistentes e graças ao Programa de Escolas Radiofônicas mantidas pela Rádio Rural de Natal, destinado principalmente aos adultos que trabalhavam no campo durante o dia e/ ou às donas de casa ou aquelas pessoas que não tinham acesso à escola regular, Maria das Neves Silva dos Santos consegue se alfabetizar aprendendo a ler e escrever, juntamente com os colegas, em uma residência, onde à noite todos se reuniam para receber as instruções e as lições, que eram anotadas no material distribuído gratuitamente para todos os participantes, bem como o rádio, que era cedido apenas para as aulas não podendo ser utilizado para escutar nenhum outro programa fora do horário das aulas, caso esse acordo não fosse cumprido, a professora-guardiã perdia o direito a lecionar, bem como o rádio, que era recolhido e seria destinado à pessoa que estivesse disposta a cumprir com o regulamento. As aulas tinha uma carga horária de 02 (duas) horas e como não havia energia elétrica, todos assistiam as sob a luz de um lampião a gás, que também era doado, fazendo do kit escolar do professor.
Os pais de Nevinha, como ela ficou conhecida e era carinhosamente chamada, se mudaram para o distrito de Dom Marcolino, pertencente ao município de Barra de Maxanguape (RN), onde ela foi matriculada no 2º ano primário, pois já sabia ler e escrever corretamente e com desenvoltura. Mesmo assim, antes da matrícula ser efetivada, ela se submeteu a uma Prova de Capacitação, para validar a nota do 1º ano. Concluído o Curso Primário, dona Nevinha procurou a Secretaria Municipal de Educação onde se matriculou no Curso Logos II, onde fez as etapas referentes ao Curso Ginasial e ao Curso de Magistério, para poder lecionar, pois seu desejo era ser professora e teve como coordenadoras as professoras Vilma Fagundes (in memoriam) e Adelaide Áurea de França Souza (Laizinha).
Por esta época, dona Nevinha já estava casada com o senhor Cícero Justino dos Santos (in memoriam) e residia onde hoje está o Assentamento Canudos, onde dava aula particular em sua própria residência, pois existiam muitas crianças fora da escola e aquilo a inquietava muito.
Dona Nevinha se mudou para o distrito de Tamanduá, na zona rural de Ceará-Mirim, onde, em uma casa pertencente à comunidade, ela montou sua escolinha em uma casa de palha construída por seu esposo Cícero Justino, em um terreno doado pelo senhor Pedro Justino dos Santos- seu sogro e ajudou a fazer alguns bancos de madeira para seus alunos, mas como eram muitos, algumas latas de querosene vazias, serviam de bancos, mas acolhia a todos, pois seu objetivo era que todos fossem alfabetizados e que ninguém ficasse sem estudar.
A notícia de sua escola chegou até a Secretaria Municipal de Educação em Ceará-Mirim, e o professor João de Castro Filho foi fazer uma visita ao local e sensibilizado prometeu construir uma escola digna para a comunidade, mas precisava antes regularizar a situação da professora e das crianças.
Foi então que o prefeito da época, Ruy Pereira Júnior (Ruyzinho), assinou sua carteira de trabalho, no dia 14 (quatorze) de maio de 1975 e autorizou a matrícula oficial dos alunos que passaram a fazer parte da rede municipal de ensino.
Dona Nevinha foi convidada pela secretária municipal de educação, a professora Maria de Lourdes Firmino (Dinha) para fazer um levantamento de quantas crianças estavam fora da escola e o resultado o seguinte: na sua turma, já estudando, existiam 24 (vinte e quatro) alunos e mais 32 (trinta e dois) adultos ou fora da faixa etária.
Como não podia misturar crianças com adultos, a professora Inês Silva, que era a Coordenadora do Mobral em Ceará-Mirim, convidou dona Nevinha para comparecer ao Colégio Santa Águeda e se submeter às provas de capacitação para assumir a turma da noite como alfabetizadora do Movimento Brasileiro de Alfabetização que era mantido pelo Ministério da Educação.
A escola teve sua construção iniciada no governo do saudoso prefeito Edgar de Gouveia Varela, que também nomeou dona Nevinha para o cargo de diretora, porém, sua inauguração só aconteceu durante a gestão do Prefeito Dr. Roberto Pereira Varella.
Dona Nevinha não foi apenas responsável pela educação de crianças e adultos da comunidade de Tamanduá, ela também atuou como notificadora do Ministério da Saúde, a antiga Malária – como era conhecida a SUCAM, que hoje é a Fundação Nacional de Saúde, sendo a responsável pelo Posto 18/81, até o ano de 1995.
Após 28 (vinte e oito) anos de trabalho como professora, e destes, 24 (vinte e quatro) anos foram como gestora da Escola Municipal Pedro Justino dos Santos, em Tamanduá, dona Nevinha se aposentou durante o governo da Prefeita Edinólia Mello.
Professora Maria das Neves Silva dos Santos – dona Nevinha é mãe de Marcelino Justino dos Santos, Maria Selma Justino dos Santos, Maria Miriam Silva dos Santos (in memoriam), Marcelo Silva dos Santos, Maria Micarla Silva dos Santos, Marcone Silva dos Santos e Marcos Silva dos Santos (in memoriam). Seus filhos lhe deram 13 (treze) netos e 02(dois) bisnetos. Seu hobbie atual é ler a Bíblia e aproveitar a companhia da família.
(texto coletado da página da ACLA -  https://www.facebook.com/profile.php?id=100008452352746&hc_ref=ARRO1ApIYliMhphN3BJzCsemVXr0G8qsMeUR-Q22uVGqQpJNkuodYgU0-N5vSt-3t2g)
 

quinta-feira, 31 de maio de 2018

OS LIVROS QUE SE ENCANTARAM - PARTE I

A gente vai lendo e cada vez mais descobrindo coisas e aprendendo. É sempre assim no mundo dos leitores. Ler é buscar alimento à alma. É nutrir-se de conhecimento, é vestir-se com as palavras dos poetas e prosadores e sair por aí ostentando o que encontramos nas páginas que eles escreveram. às vezes nos deparamos com escritos perdidos. Onde eles estão escondidos? Quais fins tiveram? São alguns tão importantes como por exemplo:
Nilo Pereira

"A História de Ceará-Mirim", escrita por Câmara Cascudo. Nilo Pereira chegou a ler os originais e ele mesmo indaga por que ainda não foi publicado (PEREIRA, 1977, P. 15).  É de Nilo Pereira que também ficamos sabendo que há um texto perdido assinado por Ildarisa Flores, pseudônimo de Magdalena Antunes, autora de "Oiteiro- memórias de uma sinhá-moça" (1958). O escritor que era sobrinho de Magdalena também leu esse texto que trazia como título: "O meu diário na terra paulista" (IDEM, P.65)
Da mesma forma podemos também perguntar onde estão os originais do livro que não chegou a ser publicado, do poeta Antonio Glicério, "Cantilenas"Esses são apenas alguns do livros da literatura produzida no Rio Grande do Norte que não foram publicados. 


Francisco Martins



Referência

PEREIRA, Nilo. Imagens do Ceará-Mirim. Natal-RN: Fundação José Augusto, 1977

segunda-feira, 28 de maio de 2018

ASSIM DISSERAM ELAS ....

"Mentira que salva, vale mais do que a verdade que prejudica"

Camila Frota