sábado, 31 de dezembro de 2011

MINHAS LEITURAS 008 E 009/2011

 Livro: História da Aviação no Rio Grande do Norte
Autor: Paulo Pinheiro de Viveiros
Editora Univesritária
Natal - 1974
Páginas: 238
Leitura: 24 e 25 de dezembro 2011

Este livro conta muito sobre a História da Aviação em nosso Estado, abragendo o período de 1894 a 1945. Rico em informações e anotações. Fruto de pesquisa muita ampla e profunda, o escritor Paulo Pinheiro de Viveiros soube guardar e em tempo registrar as suas anotações sobre a aviação. O livro nos dá resposta às muitas perguntas que formulamos, tais como: Qual o primeiro avião que foi visto em Natal? Quem foi o primeiro mártir da aviação em terras potiguares? Que representou o Aero Club para nossa sociedade?  Etc.Sua leitura é um passeio que nos leva a uma Natal pequena e que aos poucos vai crescendo até a chegada dos  americanos, o surgimento de Parnamirim. De 1 a 10, atribuo nota 9 ao livro.


Livro: Traços e Perfis da OAB/RN
Autor: Carlos Roberto de Miranda Gomes
Editora: Sebo Vermelho
Natal - 2008
Páginas: 450
Leitura: 26 a 30 de dezembro de 2011

Carlos Gomes nos conta nas páginas deste livro a história da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Rio Grande do Norte, desde a sua origem até 2007. O livro cobre 8 anos de pesquisa. Lê-lo e conhecer não somente o que é, o que fez e o que faz a OAB/RN, ma também ter um encontro com perfis de homens e mulheres que no ofício da advogacia enalteceram a profissão. Uma obra que não pode faltar nas estantes dos alunos dos cursos de direito, bem como nas bibliotecas dos advogados. De 1 a 10, dou nota 8.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

ADEUS PADRE RUI MIRANDA - UM PÁROCO "CORONEL"

Somente hoje à tarde tomei conhecimento sobre o falecimento do Padre Rui Miranda, que durante 55 anos trabalhou na Paróquia de Nossa Senhora Conceição, em Ceará Mirim-RN. Cônego Rui, o "galego" mais brabo que o Clero da Arquidiocese de Natal já teve nestes últimos 50 anos.Foi um Pároco "Coronel".Homem de fibra, que não levava desaforos para casa, nem tão poiuco para a Igreja. Convivi com eles quando menino, sendo durante muito tempo seu coroinha e depois como seminarista diocesano.
Lembro de muitas histórias que com ele vivi. Breve escreverei um esboço biográfico sobre este Homem padre, detalhe para o h maiúsculo. Certa noite,  em 1982, saimos juntos para atender várias celebrações eucarísticas na sua vasta paróquia. Ele começou a primeira missa às 18 horas, numa comunidade rural. Além desta teria mais outras 4 missas, até chegar finalmente na Igreja Matriz. Padre Rui falou baixinho para mim na hora em que acolitava: -"Põe mais vinho, pode botar". E eu entendi que para aguentar um rojão igual ao dele, somente com muito vinho regando as veias e é bíblico, afinal a própria palavra que diz: "o vinho alegra o coração do homem" (Salmo 105:15). E foi assim, na mesma medida no cálice, nas missas seguintes. Via-se claramente que na quarta missa Padre Rui já aparentava cansaço e sono, mas tinha ainda a Missa do Galo, na matriz, onde uma multidão o aguardava. Quando voltávamos, em estrada carroçável, alguém colocou propositadamente um troco de árvore para impedir a passagem da kombi. Padre Rui parou, pediu para que eu fosse rolar o tronco à margem da estrada. Deixou os farois ligados e em frente do veículo, com as mãos ocupadas, ele trazia em cada uma, um  revólver 38. E ainda gritava: -Apareça quem fez isto! Se for homem, apareça. Chegamos à matriz em paz e no altar ele princinpiava sua sexta missa: "-A missa será celebrada nas seguintes intenções.... Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo..."
Ao Padre meu abraço, minha gratidão por ter com ele convivido.
Francisco Martins Alves Neto

sábado, 24 de dezembro de 2011

ASSIM DISSERAM ELES....

"Escrevo porque Deus existe...Principalmente porque num mundo de doutos, e não sendo eletricista ou encanador, consigo trocar palavras por margarina, feijão e pão".



Vicente Serejo

MINHAS LEITURAS 007/2011

 Livro: Actas Diurnas
Autor: Câmara Cascudo
Estilo: Crônicas
Edição Novo Jornal e Instituto Ludovicus
Natal 2011
Páginas: 192
Leitura: 20 de novembro 2011

Mais de 60 crônicas escolhidas e selecionadas pelo jornalista Franklin Jorge, homem que visitou durante muitos anos a Casa de Câmara Cascudo, compõem o corpo do livro acima.´ Lê-lo é ter um encontro com a história do Rio Grande do Norte,  com figuras  do povo e ilustre de nossa capital. É mergulhar  num tempo que as palavras  guardam com muito carinho. Palavras que foram uma a uma datilografadas por Câmara Cascudo. Livro de pesquisa, de respostas e de prosa poética. Nas palavras do próprio Franklin Jorge: Enriquece Luís da Câmara Cascudo nossas vidas com a magia e o mistério de outras vidas, sem recair jamais na retórica banal ou no servilismo convencional e corriqueiro, característicos dos agrupamentos enquistados, ao dar relevo a peculiaridades psicológicas, temperamentais e espirituais de todos aqueles que despertaram a sua atenção e que em um lapso de tempo marcaram a vida de Natal, compondo o tecido social e cultural de que se fizeram representantes ou representativos de uma sociedade e de uma época em franca transição para a modernidade. Assim, convivem em seu texto do empreendedor ao homem do povo anônimo e tenaz, o intelectual e o político, o artista e o visionário, o industrial e o filantropo, o inovador e o serviçal do hábito que por seus atos ou pela memória de seus atos se fizeram imprimir em seu imaginário afetivo.

 Eis o livro que havia muito se fazia esperar

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

SER ESCRITOR É SONHAR

Escrever é construir
Um mundo de ficção
Colocar nele um baú
De métrica, rima e ação
E afogar o leitor
Nas águas da emoção.

É viver plantando sonhos
Onde mais ninguém plantou
Sonhar colhendo a semente
Do sonho que não sonhou
E sugar o mel das pétalas
Da roseira que murchou.

É viajar pelas nuvens
Sem tirar os pés do chão
Almoçar pontos e vírgulas
Traço rima e oração
E andar na mesma trilha
Dos passos do coração.

É transformar um deserto
Numa bonita savaa
Transformar em um milênio
Um simples fim de semana
E andar pelas artérias
Das veias da raça humana

É sentir a dor alheia
Calando a boca da sua
Passar a noite acordado
Pelas calçadas da rua
Bebendo as lágrimas da noite
Fazendo versos pra lua.

É plantar grão de esperança
Numa batalha perdida
Resplantar pontos e vírgulas
Numa folha ressequida
Deitado nos pés do tempo
Olhando o rosto da vida.

Ser escritor é pisar
Onde ninguém bota o pé
É ser Zé ninguém sem ser
Escravo de nenhum Zé
E viver plantando sonhos
Saudade, vontade e fé.

Antonio Francisco
Livro: Da Arte de Escrever no Rio Grande do Norte
Autor: vários
Natal, 2008

MINHAS LEITURAS 006/2011

Livro: Sociedade e Justiça
Autor: Eduardo Gosson
DEI-RN - 1998
Páginas: 331
Leitura: 22 e 23 de dezembro 2011


Maravilhoso o livro de Eduardo Gosson que trata sobre a História do Poder Judiciário no Rio Grande do Norte. Como diz o próprio autor na introdução da obra " nasceu da constatação de que os Poderes Executivo e Legislativo tiveram as suas histórias escritas pelo Mestre Luís da Cãmara Cascudo e o Poder Judiciário carecia de uma abordagem abragente, que desse conta do período colonial, imperial e republicano". Eduardo soube fazer isto muito bem. É uma obra onde embora haja muitas datas e perfis bibliográficos, não deixa a leitura enfadonha. Um livro insispensável àqueles que estudam Direito no Rio Grande do Norte.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

UMA TROVA ANTIGA

tattooyoursoul.com.br
Antigamente os poetas cantavam assim:
"A PEDRA QUE MUITO ROLA
NÃO SERVE PARA CIMENTO
MOÇA QUE MUITO NAMORA
NÃO ENCONTRA CASAMENTO"

Fonte: livro "As Bossas", de Elysio Guimarães, 1961, pág. 29

MINHAS LEITURAS 005/2011

Livro: Caderno de Pano
Autora: Inah Bezerra Batista
Ano:  ignorado
Páginas:  46
Leitura: 12 de agosto de 2011

Uma história se faz com pequenos detalhes.É assim que Inah Bezerra Batista nos revela pequenas pérolas da sua existência. Um mulher que escreveu apenas um livro, um único, que deixa gosto de venha mais a todos aqueles que folheiam sua obra. Poderia ter escrito mais, muito mais. Sabemos que tem poesias escondidas, nunca publicadas. Inah se foi, de cabelos brancos, olhar penetrante,e neste livro "Cardeno de Pano", mergulhamos na vida da pequena cidade de Parelhas-RN. A memória da escritora nos leva pelas ruas sem nome, a chegada da luz elétrica, a inauguração do tiro de guerra 133, etc.  O pequeno livro de Inah, com apenas  46 páginas, é uma célula que registra em seu interior a história do Rio Grande do Norte.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

A MAIS ANTIGA ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL

Voce sabia que a Academia Cearense de Letras é a mais antiga academia de letras do Brasil? Fundada em 15 de agosto de 1894, ela antecede até mesmo a Academia Brasileira de Letras que foi criada em 1897.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

ASSIM DISSERAM ELES...

"Creio na força do riso e das lágrimas"

Charles Chaplin

domingo, 18 de dezembro de 2011

O HUMOR DE MANÉ BERADEIRO

No programa "Show da Noite", na Rádio Princesa, em Assu, Júnior Lopes recebeu a seguinte ligação de uma ouvinte:
-Alô Júnior Lopes, aqui quem fala é Dorinha, eu quero oferecer a póxima "musga" para o meu grande amô. As iniciais do nome dele é O.X
O radialista perguntou:
-Quais as iniciais, minha senhora?
E ela respondeu:
-O.X, e eu vou logo dizer quem é, que eu não tenho papa na língua, nem nada escondido. Eu quero oferecer a "musga" ao meu grande amô ONTOIN XOFER.

Fonte: Dez Contos Cem Causos, de Ivan Pinheiro

O CORDEL POTIGUAR GANHA SUA ACADEMIA

Amanhã, segunda-feira, às 19 horas, será instalada a mais nova academia do Rio Grande do Norte. Trata-se da Academia Norte-Rio-Grandense de Literatura de Cordel. A cerimônia acontecerá no salão nobre da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, sito à Rua Mipibu, 443, Petrópolis.
A ANLIC surge num momento  em que estão sendo criadas várias academias neste Estado. Sua  criação vem concretizar um sonho de muitos poetas cordelistas. A ANLIC será constituída por 40  imortais, tendo em seu seio não apenas cordelistas, mas também editores, pesquisadores do cordel e xilogravuristas.  
A nova academia tem como Presidente Rosa Ramos Regis da Silva, a nossa Rosa Regis. Natural da Paraíba, filha de agricultores que amam o cordel. Rosa Regis é graduada em Filosfia e Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Rosa Regis reside em Natal desde 1966. Como escritora e poeta cordelista já participou de vários concursos, antologias e festivais, tendo ganho prêmios e  menções honrosas.
Meus parabéns a ANLIC e vida longa aos imortais.

sábado, 17 de dezembro de 2011

COMENTANDO MINHAS LEITURAS 004/2011

Livro: Dez Contos  Cem Causos
Autor: Ivan Pinheiro (foto)
Páginas: 173
Leitura: 17 de dezembro 2011

Hoje à tarde, peguei com gosto o livro de Ivan Pinheiro, natural de Assu-RN. Ivan escreveu contos e causos, tendo como universo sua terra Assu, e em poucas páginas foge desta geografia. Minha impressão é que o escritor tem uma vocação para o conto, principalmente àqueles em que há uma linha de construção com a sexualidade. Escreve de maneira gostosa de ser lida. Aconselho-o permanecer neste campo e nele prosperar, pois sem dúvida é um contista dos bons. No que diz respeito aos causos, embora seja um apanhador das histórias hilárias do seu povo, sinto que ao Ivan falta um pouco da verve que é tão própria aos escritores deste gênero. De um a dez,  atribuo nota sete ao livro.

"O SILÊNCIO DOS SECRETÁRIOS" EM FINALIZAÇÃO

Amigos leitores, é com alegria que comunico a vocês que estou no final do livro "O Silêncio dos Secretários", uma biografia de uma instituição cultural do Rio Grande do Norte. Creio que agora, no próximo mês, já estarei entregando o material para diagramação. Corri feito louco, li bastante livros de atas, fiz pesquisas, mas valeu a pena. Será  uma obra que virá enriquecer a história da literatura potiguar. Debrucei-me em 44 anos de história, compreendidos de 1968 a 2011. Breve darei maiores notícias sobre o nascimento deste livro.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

LEITURINO NA AÇÃO SOCIAL EM ROSA DOS VENTOS

O Palhaço Leiturino estará amanhã, saábado, na Igreja Assembleia de Deus, em Rosa dos Ventos, na cidade de Parnamirim, participando da ação social que será desenvolvida  pelo Movimento Atitude Femina, que tem o apoio da vereadora Elienai Cartaxo. Haverá oficinas de artesantos, aplicações de fluor e espaço infantil. O evento será das 8:30 até às 12 horas.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

CORAÇÃO DE PALHAÇO


Coração de Palhaço é nutrido por risos
Tem cores mil, que somente na aquarela do Criador é possível tocá-las.
Coração de Palhaço não é do lado esquerdo do peito, é sim em todo o corpo.
Há nele, não apenas um sangue rubro a correr, mas existe, sobretudo um gigantesco rio de alegria que o conduz de forma interminável ao oceano da paz.
Coração de Palhaço, ninguém o faz, ninguém o vende, ninguém o rouba.
E, quando morre o palhaço, uma galáxia se forma em sua homenagem.

Leiturino

Crédito da foto a Gibson Machado. Ceará Mirim-RN, 04.12.2011

QUARTA FEIRA TERÁ A ÚLTIMA SARAUTERAPIA DO ANO

Quarta feira próxima será realizada a última Sarauterapia de 2011. Uma oportunidade para rever os amigos poetas, músicos, cordelistas e escritores, degustar de momentos prazerosos e compartilhar versos e prosa entre as almas que se alimentam da cultura. A Saurauterapia acontece na sede do Conselho Regional de Odontologia, sito  a Rua Cônego Leão Fernandes, 619, Petrópolis, nesta Capital.   Rubens Barros de Azevedo (foto) é o coordenador deste sarau.

PARNAMIRIM SEDIARÁ 4º ENCONTRO DA REDE POTIGUAR DE ESCOLAS LEITORAS

clique na imagem para ampliá-la

sábado, 3 de dezembro de 2011

LEITURINO FAZ SHOW AMANHÃ EM CEARÁ MIRIM

O Palhaço Leiturino vai se apresentar  neste domindo àtrde, em Ceará Mirim, dentro das festividades da padroeira daquela cidade. Leiturino terá seu show logo após a missa vespertina, em palco montado ao lado da Igreja. Foi convidado pela Academia Cearamirinense de Letras e Artes -ACLA que este ano coordena a programação cultural.  O artista leva em sua bagagem mágicas, apresentações mímicas e o fascinante Ananias, o  jumento mais querido do Rio Grande do Norte. Na foto, Leiturino e sua fã maior, Sandra Pimentel.
Contatos para shows: (84) 8719 4534

sábado, 26 de novembro de 2011

No último dia 15 de novembro, a senhora acima completou 70 anos. A família fez uma festa inesperada para ela, na noite de sábado pp, no restaurante do Hotel Maine, em Natal. Eu, Mané Beradeiro, fui convidado para fazer um cordel para ela. Foi o meu primeiro cordel  na Série Biografia. Leia abaixo.

CORDEL DA CONCEIÇÃO
Maria da Conceição
Sua história eu vou contar
Vou narrar em poucos versos
O que consegui rimar
Mergulhando nas palavras
Um cordel irei montar.

Como fruto do amor
Pedro e Das Dores juntou
A semente em terra boa
E vida desabrochou
Isto foi em Mangabeiras
Nove meses se passou.

E chegou aquele dia
Por Das Dores tão suado
Que trouxe a este mundo
Num pequeno povoado
A primeira Oliveira
Do amor sacramentado.

A partir daquele dia
O resguardo começou
Houve choro de menina
A parteira anunciou
E dentro daquela casa
Conceição logo mamou.

Era bem  pixototinha
A criança que nasceu
Pedro disse a Das Dores:
“-Foi ela que Deus nos deu
Vamos criá-la e amá-la
Nesta terra de “bebeu”.

Zinha foi apelidada
E assim por toda a vida
Esta alcunha atendeu
Só mais tarde instruída
O seu nome escreveu
A menina tão sabida.

Naquela infância querida
Tempo áureo, tão singelo
A menina hoje lembrada
Crescia sem ter castelo
Os irmãos foram chegando
E Zinha era o tutelo.

Foram muitos os seus irmãos
Mas de vinte lá nasceu
E sua dedicação
Conceição a todos deu
Quem tá vivo testemunha
O que dela recebeu.

Diante de tanta gente
Para ela tomar conta
Não houve tempo de prosa
Mas isso não desaponta
Porque sendo uma Oliveira
Ela pouco se amedronta.

Como tudo neste mundo
Tem que ter mutação
Zinha não fugiu à regra
Cresceu sem aclamação.
Tinha sonhos escondidos
Lá dentro do coração.

Naquele tempo não tinha
Essa tal adolescência,
Muito menos internet.
Conceição sentiu dormência
Foi dormir sendo menina
Acordou sem paciência.

Era a fome do amor
Que no peito despertou
Não sabia se chorava,
E seu corpo se abrasou
Só mesmo um Pimentel
Para tudo que pensou.

Um olhar, um sorriso
Fez Clovis se derramar
Criar coragem e querer
Com Pedro pode falar
Jurando que sua filha
Pra sempre ele ia amar.

O rapaz era pequeno
No físico que possuía
Mas dentro daquele peito
Maior amor não existia
Para ele Conceição
Era tudo que queria.

Clovis conquistou a moça
E foi grande a alegria
No verde daquele vale
Dois corações se uniria
Era o amor moendo
No engenho da alquimia.

E o namoro se deu
Como um pé de baobá
Foi crescendo aos poucos
E o amor a aumentar
Pois aquela união
Só Deus pode terminar.

Como árvore frutífera
As flores foram vingar
Nasceu logo a Solange,
Depois Sandro a mamar,
Veio Sandra e Sânsio,
Oh homem prá trabalhar!

Conceição disse: “-Tá bom,
Não quero mais filho não”.
Clovis fez que ouviu
Mas não prestou atenção.
Zinha se descuidou
Pegue outro barrigão.

A criança que nasceu
Foi o filho temporão
Nove anos sem menino
Lá dentro do barracão
Sanderson foi o seu nome
Não há outra explicação.

O caçula era mimoso
Por “Menina” foi criado
Eu o vi todo branquinho
Com fralda e dedo chupado
Foi quem mais ficou em casa
Hoje é um advogado.

A família estava pronta
Todo mundo já chegou
Era tempo de lavouro
Deus assim determinou
E os pais destes meninos
Muitos anos trabalhou.

Hoje é tempo de colher
De tudo o que se plantou
E é neste aniversário
Que a coisa culminou
Pois honrar pai e mãe
É ordenança do Senhor.

Setenta anos de vida
Tem agora Conceição
E aqui neste jantar
Muita confraternização
É desejo de nós todos
Que haja paz e união.

Minha sogra Conceição
Eu termino este cordel
Deixando em suas mãos
Um grande favo de mel
Por ter gerado minha “Fia”
A doce Sandra Pimentel.

Mané Beradeiro - Novembro 2011

UMA LINDA HOMENAGEM

Não sei medir a alegria que senti ontem à noite, ao receber a homenagem da Sociedade dos Poetas Vivos e Afins-SPVA, por ocasião da V Cesta Cultural, sarau que acontece na última sexta-feira, sempre no IFRN, na Av. Rio Branco, Cidade Alta, Natal.
 Fui agraciado com o Diploma Mérito Cultural, um documento que reconhece os serviços prestados à cultura do Estado. Muito obrigado aos que fazem a SPVA por terem lembrado do meu nome. Sou imensamente grato por essa homenagem e espero continuar fazendo sempre mais e mais por nossa cultura.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

TORPEDO DE MANÉ BERADEIRO 010/2011

Assim diz o ditado popular: "Quem com ferro fere, com ferro será ferido". Veja se não é a mesma coisa que diz a Bíblia em Romanos 2:9, a saber: "TRIBULAÇÃO E ANGÚSTIA VIRÃO SOBRE A ALMA DE QUALQUER HOMEM QUE FAZ O MAL"

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O HUMOR DE MANÉ BERADEIRO

Padre Canindé (Assu) estava celebrando um batizado, com várias crianças. Chega para uma mãe e pergunta:
-Nome da criança?
Ela responde:
-Washignton
-A senhora sabe escrever este nome?
-Sei não!
-Então, por que escolheu este nome para seu filho?
-Porque eu acho bonito nome que tem a letra U
Foi demais para o padre, que respondeu:
-Então mude para UrUbU que tem três vezes a letra U.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

MORRER

Morrer! Que certeza indesejável.
diz o crente que morrer é ir ao encontro definitivo com o Criador.
Diz o gnóstico que é desfazer-se uma vez mais da capa corporal.
Diz o materialista que é o fim da jornada.
Mas, o que diz o poeta?
Morrer é abandonar o casulo onde durante algum tempo se viveu.
É terminar de cantar a última estrofe da existência.
É deixar que se pense que tudo terminou.
Morrer é proporcional ao viver.
É tão natural quanto nascer.

Francisco Martins

Natal-RN, 01 de abril de 1999

Livro: Degustando Poesia, página 76

terça-feira, 1 de novembro de 2011

MANÉ BERADEIRO TEM MARCA DE FERRO

Buscando cada vez mais se aperfeiçoar naquilo que faz, Mané Beradeiro criou sua própria marca editorial. A imagem é um resgate da infância, quando na Fazenda Santa Maria ele via os vaqueiros juntar o gado e num dia de festa, regado com muita cachaça e comida feita pela sua mãe e demais mulheres,  as vacas, cavalos, touros, éguas, jumentos, novilhas e bezerros eram  ferrados com a marca do seu proprietário.
O ferro de "Seu Chiquinho",  pai de Francisco Martins (Mané Beradeiro) ficou em sua memória, e com pequenas modificações tornou-se a marca que a partir deste mês de novembro será impressa em tudo aquilo que tem a produção de Mané Beradeiro.

sábado, 29 de outubro de 2011

ASSIM DISSERAM ELES....

"Os homens são como relógios, uns atrasam, outros, adiantam, poucos regulam bem"

Dom Adauto Aurélio de Miranda Henrique

Fonte: Esboços,  página 20, 1968, de Thadeu Villar de Lemos.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

"O SALVO DAS ÁGUAS" O MAIS NOVO CORDEL DE MANÉ BERADEIRO

Mané Beradeiro e seu jumento Ananias tem andado por aí conquistando o público que gosta de ouvir cordéis, poesias matutas e causos. Uma peculiaridade do personagem de Mané Beradeiro é que ele vem se dedicando à criação de cordéis bíblicos, baseado nas histórias do maior e mais vendido livro do mundo, a Bíblia. Desde o ano passado que ele já lançou os seguintes títulos:
1) O Cordel da Salvação
2) Assim Veio o Homem
3) O Engenheiro Noé
4) O Pai da Fé
5) O Administrador José

Agora, em novembro, Mané Beradeiro lançará dentro desta Série Bíblica, o 6º título  "O Salvo das Águas", que trata sobre os primeiros três anos da vida de Moisés, de acordo com o que narra o Livro de  Êxodo,  capítulos 1 e 2 até o versículo 10.
Em primeira mão segue o texto ainda inédito em folheto de cordel:


O SALVO DAS ÁGUAS

Tem ordens que são cruéis
Ninguém pode duvidar
Mas nem tudo é prá sempre
Você há de acreditar
O ódio e o amor
Vão sempre se enfrentar,

Vou narrar um episódio
Que no Egito passou.
É coisa de muitos anos
Que na História ficou,
Fato emocionante
Que muita gente chorou.

Os filhos de Israel
Começaram a crescer
As mulheres davam luz
Mesmo sem estremecer,
Pareciam Maristela
Parindo sem perceber.

Com tanta gente na terra
Faraó se preocupou
Falando desse jeito:
“-Este povo aumentou
Se continuar assim
Nosso reino se acabou”

Prá evitar tal sumiço
O Faraó teve plano
Cansar os israelitas
Matando eles de sono
De tanto trabalho duro
Intenso e desumano.

Piton e a Ramessés
Foram as edificadas
No lombo daquele povo
 Em muitas madrugadas
Sem caminhão e caçamba
As pedras foram fincadas.

Mas os homens eram fortes.
De dia nas olarias
Braço,  peito se moíam
De noite só alegrias
Sem  ter televisão,
Pegue bucho nas  Marias.
Sifra e Puá sabiam
Que naquela agonia
Com aquele vuco-vuco
Outra coisa não viria
Só meninos e meninas
No Egito existia.

Faraó ficou foi bravo
“-Como pode acontecer?”
Perguntava  soberano
E nunca ia entender
Que querendo  Jeová
Ninguém pode  suspender!

“-Chamem aqui as parteiras!”
Ordenou o Faraó
Sifra e Puá vieram
Tremendo que só cipó
Ouviram daquela boca
“-Matem os filhos de Jacó.”

Joquebede  embuchou
E dentro daquele ventre
Um profeta lá ficou.
E agora minha gente,
Que será desta família
 Tão pobre  e impotente?

Diz a Bíblia, que não erra,
Que o menino nasceu.
Nos braços de sua mãe
Três meses ele viveu
Até  que chegou o dia
Que a mãe não esqueceu.

Por ser ele um menino
Não poderia viver
Era a ordem  do rei
Não ia desobedecer
Joquebede em sua fé
Não deixou se comover.

E Lembrando de Noé
Ela foi sem vacilar
Trouxe um cesto de betume
E a criança fez deitar
Era a arca do seu filho
No Nilo a navegar.
O cesto  desceu o Nilo
Joquebede foi chorar
Lamentando ter perdido
O menino sem criar
Não sabia a mulher
Onde iria ele parar.

Miriam ficou olhando
Aquela cena sem par
Até que notou barulho
De Mulheres a chegar.
Miriam se escondeu
E ficou a brechar.

Dentre elas lá estava
A filha do faraó
Que notou algo estranho
No meio dos cipó
Mandou uma serva ir
E trazê-lo sem ter dó.

Àquela prontidão
A princesa se rendeu
Diante do menino
Logo ela percebeu
Ser seu destino-mor
Salvar aquele plebeu.

Miriam saiu da moita
E a ela foi dizendo:
“-Eu sei de uma mulher
Que pode amamentando
Ser babá deste menino
E cuidar dele amando”.

A princesa ordenou:
“-Corra, traga a mulher,
Quero vê-la sem demora”.
Miriam fincou o pé
“-Corre, mãe, ele voltou,
Vai cria-lo pela fé”.

E naquele mesmo dia
A criança ao lar voltou
Teve muita oração
A Deus Pai que salvou
Usando gente da alta
Que seu plano nem notou.
E foi lá naquela casa
Nos braços da genitora
Que educação primária
Foi sua mola propulsora
Mas tarde em sua vida
Não esqueceu a tutora.

Foram três anos apenas
Que fizeram diferença
E  soube a Joquebede
 Usá-los com paciência.
Na missão tão  sagrada
Daquela benevolência.

Então veio a princesa
Levar o nosso Moisés
Que foi Salvo das Águas
Nos meio dos igarapés
Para viver no palácio
No meio dos coronéis.

     Inté
26 de outubro de 2011

NÃO ESQUEÇAM

Àqueles que visitam com certa frequência este meu blog, gostaria de lembrá-los que desde o dia 15 de agosto último que venho trabalhando na  elaboração do meu mais novo livro "O Silêncio dos Secretários", uma biografia de um entidade cultural, que em abril próximo completará 44 anos de existência. As pesquisas tem me tomando um tempo precioso, principalmente no que diz  ao alimento deste blog. Mas confesso que valerá a pena. Aguardem mais notícias brevemente.

CESTA CULTURAL NA SUA IVª EDIÇÃO

A Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN - SPVA/RN vai realizar amanhã, a IV Edição do Projeto Cesta Cultural, das 19 às 22 hs, no Instituto Federal do RN, Campus da Av. Rio Branco em Natal. Na oportunidde o Presidente da SPVA outorgará o título de Honra ao Mérito Cultural  a escritora e artista plástica Sheyla Ramalho,  ao poeta e compositor Mario Lúcio Cavalcanti, ao cantor Fernando Tová e ao poeta e escritor Ciro José Tavares. O evento contará com a participação especial do cantor Rodolfo  Amaral. A entrada é franca  e é sem sombra de dúvidas, um excelente programa para esta sexta-feira.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

CORDÉIS DE MANÉ BERADEIRO ESTÃO EM CURITIBA

Os cordéis de Mané Beradeiro estão sendo divulgados em Curitiba-PR. Eles foram levados por uma grupo de professores do Rio Grande do Norte que estão fazendo uma especialização em gestão escolar, junto ao Ministério da Educação e Cultura.
Serão doados aos demais participantes desta especialização, que fazem parte de vários Estados do Brasil. É uma alegria para Mané Beradeiro ter seu trabalho divulgado fora das fronteiras do RN.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

TORPEDO DE MANÉ BERADEIRO 009/2011

Diz o ditado popular: quem muita fala, muito erra. E a Bíblia assegura: "NO MUITO FALAR NÃO FALTA TRANSGRESSÃO, MAS O QUE MODERA OS LÁBIOS É PRUDENTE" Provérbios 10:19

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

LEITURINO NO HEGÉSIPO REIS



Sexta-feira, 30 de setembro, à tarde, estive na Escola Estadual Hegésipo Reis, em Nova Descoberta, onde fui alegrar, com o Palhaço Leiturino, a  vida daquelas crianças. Comigo estavam Ananias (o jumento) e Roque ( o quaxinim).





CANTO DE AMIZADE

O escritor Diógenes da Cunha Lima, Presidente da Academia Norte Rio Grandense de Letras, celebra este ano 50 anos de vida profissional no ramo da advocacia. Ele recebeu muitas e justas homenagens. Também quiz  presenteá-lo, e fiz para ele o CANTO DE AMIZADE, inserindo cada título dos seus livros dentro deste poema, feito em septilhas, onde a rima acontece na terceira, quarta e sétima linha de cada estrofe.


Vou lhe contar de um sonho
Que eu tive esta noite
Não sei bem o que se deu
Mas meu peito derreteu
Nele eu vi um homem-anjo
Fugindo do Paraíso
Pra servir o povo seu.

Ele trouxe uma lua,
Não uma lua qualquer
Uma lua quatro vezes sol
Cujos raios em arrebol
Tocam o homem em sua alma
No mais profundo do ser
e o levam ao farol.

Farol da sabedoria.
Das poesias e dos livros
Onde a vida que cria
Lhe pede sem agonia
Um instrumento dúctil.
Quando aqui ele chegou
Procurou a “academia”.

Este sonho enlouqueceu?
O certo não seria Cascudo,
Que ao pai prometeu,
Conhecer o filho seu?
Sim, Câmara Cascudo,
Um Brasileiro Feliz.
Prontamente o atendeu.

E aquele nosso homem
Qual um pássaro a voar
No seu Corpo Breve
Ele mesmo prescreve
O desejo de sonhar.
Sonhar com coisas altas
E não apenas semibreve.

Em suas mãos a pena
Na cabeça mil palavras
No coração o desejo
“Ser grande homem eu almejo”.
E se pôs a observar.
Cada rosto, cada frase, todo olhar
Tudo nele era cortejo.

Mas como a vida é dinâmica
O nosso anjo humano
Queria o mundo pintar
E sua curiosidade se pôs a aguçar.
- O que queres aprender?
Perguntou alguém sem querer.
“- Quero só pintar e adicionar”.

Eu sei quem pode te ajudar.
Por aqui há um pintor
Ele morar em algum lugar
Espere, deixe-me pensar
Ele é conhecido como
O Homem que pintava cavalos azuis
Onde ele está? Disse o homem a indagar.

Pegue a rua da Tendresse,
Do mais puro sentimento.
Na cidade de Natal poemas e canções
Leve suas emoções.
Lá o encontras, com certeza, assim verás
Lendo poemas versus prelúdios
Mas, cuidado, com os alçapões.

Nosso homem assim se foi
Pensando em tudo aquilo
Que ainda aprenderia
E qual não foi sua alegria
Quando as idéias que lhe moviam,
Os pássaros da memória,
Lhes trouxeram calmaria.

Eram tantas as perguntas.
Quem ousaria saber,
Tudo o que precisava dizer
Antes mesmo do anoitecer?
O livro das respostas
Seria sua aposta
Outra fonte não poderia ter.

E aquele homem amigo
Amou a cidade presépio
Como quem ama o eterno,
O colo mais puro e materno.
Por isso escreveu
Natal biografia de uma cidade
E ao povo foi fraterno.

Mas “bem sabe o pintor”
Que na memória das cores
O preto, a dor, a morte
É sempre um transporte
Que leva e traz
Solidão, solidões
Neste eterno passaporte.

E assim, nesta jornada,
Ele pode percorrer , sua existência,
Marcar suas estações
Alcançar suas posições.
Era o trem, não o seu, o dele,
“o trem da minha vida”
Em suas palpitações.

E por entre dunas e baobás,
Nosso homem assim vai
Seu desejo aumenta mais e mais
Suas mãos são castiçais,
Sua vida tem a beleza das xananas
Quem as vê
Não esquece jamais.

Esquecer? Por que?
Diz o poeta na sua filosofia
Quem pode esquecer o que ama
Principalmente quando a alma se derrama,
E mergulha nas memória das águas,
Riqueza sensorial, tesouro sem igual,
Onde todo nosso ser se inflama.

E se preciso for, independente da cor,
O poeta é capaz de numa nave
Com a avó e o disco voador
Sobrevoar natal em todo seu esplendor.
E sob um olhar azul, de alguém tão especial, o homens da letras,
Louvará o criador.

A jornada é mais que cinqüentenária.
Houve encontro com o colecionador de perguntas e o poeta
e ele que não é profeta
traz o trem das crianças,
razão da nossa esperança
orgulho deste planeta.

Eu despertei do meu sono,
E ainda vi lá no sonho
O semeador de alegria.
Que tanto enaltecia
O anjo eremita,
Portador da bondade,
Imortal da academia.

E agora José? Que farei?
Voltarei ao sono, tão belo e santo.
Isto não é nada científico,
Mas creiam, foi o magnífico
Dos sonhos da minha vida.
E para torná-lo real eu leio
Natal uma nova biografia.

Francisco Martins Alves Neto
21 de setembro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

SÃO PAULO - DE 23 A 25 DE SETEMBRO 2011

No Hostel São Paulo


Expocristã - Anhembi

Estação da Luz - Visita ao Museu da Língua Portuguesa

Com Otávio - artista cristão de Maringá -PR


Com Hudson - do Acamparte  -  Maringá -PR

Praça do Anhembi