terça-feira, 28 de setembro de 2010

O CACTO



O boi passava, via o cacto com seus espinhos, passava, pastava além.
O boi pastava, passava bem perto do cacto e sequer movia o pescoço em sua direção.
O cacto perguntava-se: “Por que?”
Desconfiou que os espinhos eram a causa da repugnação.
Os espinhos caíram...o boi percebeu, o cacto morreu.

Parnamirim – RN, 09 de maio de 2007

Moral da poesia: mantenha seus espinhos, eles ajudam a viver mais e mantém o boi a distância.