quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

O TOQUE RETAL EM SEBASTIÃO



Sessenta e cinco anos tem Sebastião. Um homem que nasceu no interior do estado e sempre por lá viveu. Não sabe nada de coisas modernas, não gosta de televisão, computador? Jamais chegou perto e o máximo que aceita é um rádio de pilha que leva todos os dias para o roçado e à noite não deixa de escutar a Hora do Brasil.
               Sebastião esteve doente, ficou mesmo arriado, deitado vários dias, com muita dificuldade até mesmo para urinar, coisa que pra ele sempre foi fácil de fazer. Lembra-se que certo dia, andando com o neto, Sebastião estava quilômetros longe do seu sítio, quando pediu para o neto:
               -Para o carro ali naquela próxima cancela que eu quero descer para dar uma mijada.
               O neto obedeceu, o avô saiu, agarrou-se  numa estaca e começou a urinar. Qual não foi sua alegria quando finalmente aliviado falou para o neto:
               -Coisa boa e gente mijar no que é nosso!
               -Vovô e estas terras daqui são sua? Não sabia!
               -São não! Eu estou dizendo isso me referindo aos meus sapatos. Veja só. Estão todos mijados.
               O neto deu uma boa gargalhada e ouviu o avô sentenciar:
               -Ria, pode rir, você também vai ficar assim!
               Mas, o que teria Sebastião? Levaram-no ao médico e o mesmo solicitou um exame de próstata. Não tem coisa pior para um sertanejo do que isso. Sebastião não criou nenhum obstáculo para ir ao médico, mas quando soube que ele levaria uma dedada no fiofó, ah! A coisa foi outra.
               -Nunca que vou deixar ninguém meter o dedo aqui. Jamais! Vá cutucar o anel de outro!
               Tentaram de tudo e Sebastião não cedia um milímetro para que o exame fosse feito. Argumentaram que ele poderia  desenvolver  com câncer de próstata, sofrer mais, etc. Nada adiantou, até que ligaram para o sítio e falaram com a esposa dele, explicando tudo. Depois que Joana ouviu a conversa pediu ao neto que chamasse o médico.  Joana que já conhecia Sebastião há mais de quarenta e cinco anos disse ao médico a senha que faria Sebastião ceder ao exame do toque retal.
               O médico voltou e muito seguro disse a Sebastião:
               -Tudo bem, o senhor não quer que eu faça o toque. Então vou prescrever uma dieta, na qual o senhor terá que cumprir rigorosamente...
               -Certo doutor, gostei, pode passar a dieta que eu faço direitinho!
               - O senhor não vai poder comer rapadura nem farinha...
               -O que? Que acabar com a minha felicidade?
               - Não pode de jeito nenhum.  Terá que passar um ano sem comer nada de rapadura e farinha.
               Sebastião ficou triste, cabisbaixo, pensativo e depois de alguns momentos olhou para o médico e disse:
               -Mostre sua mão!
               O médico atendeu
               -Qual é o dedo?
               -Este aqui, o indicador
               -Assim, sem nada!
               -Não, usarei luva esterilizada.
               -Quanto tempo dura?
               -Quinze segundos.
               -O que a gente não faz para não deixar de comer rapadura e farinha!

               E Sebastião foi examinado.

Mané Beradeiro  - 7 Janeiro 2015