quarta-feira, 5 de maio de 2010

A FORÇA DA EXPRESSÃO POPULAR


Não é novidade para vocês que eu dou vida ao personagem Mané Beradeiro, o cidadão da lendária São Sarauê, que desde o mês de fevereiro de 2009 anda pelo Rio Grande do Norte contando causos e declamando poesias matutas. Sinto-me orgulhoso do caminho que ele tem conquistando, isto é fruto do seu trabalho e da sua dedicação em oferecer aos seus admiradores o que há de melhor na produção literária do Estado. Pois bem, alimentar Mané Beradeiro tem sido uma das minhas preocupações constantes. Vivo buscando em bibliotecas, livrarias e sebos, livros de autores norte-rio-grandenses onde possa garimpar novos causos, como também poesias matutas e expressões regionais, bem características do homem do campo. É aqui que quero fazer despejar em sua leitura a alegria que muitas vezes sinto ao ler um livro que traz coisas boas para o show de Mané Beradeiro. Nos últimos meses, sempre tenho mesclado minhas leituras entre clássicos e escritores locais. Foi assim que pude anotar algumas preciosidades tais como: Assustado que só socó na lagoa.
Aprumada que só arranha-céu.
Adiantado que só relógio de vigilante.
Por dentro que só talo de macaxeira.
Comendo por fora, feito pinto no cocho.
Demorado que só doença em casa de pobre.
Quem é dona dos beijos, é dona dos peidos.
Mais apertado do que cavalo de São Jorge em Quarto Minguante.
Safado que só papagaio de rapariga.
Furada que só tábua de pirulito.
Frio que só pau de defunto.
Nem caga, nem desocupa a moita.
Não quero nem saber onde fica o cu da cobra de duas cabeças.
Delicado que só rolo de arame farpado.
É melhor escapar fedendo do que ser um defunto cheiroso.
Safada que só mão de ginecologista.
Herança é aquilo que os mortos deixam para os vivos se matarem.
Bicho que mija prá trás é que bota homem pra frente.
Sem parar que nem fole de ferreiro.
Sai de uma e entra na outra que nem lagarta em folha nova.
Quem não dá pra sela, dá pra cangalha.
Tá feito cobra que perdeu o veneno.

São expresões que mostram a força do povo simples e dentro dela, a filosofia experimentada na vida cotidiana.