quarta-feira, 4 de maio de 2011

DIDINHA - MÃE EXEMPLAR

Se é para escrever sobre as mães, e mais precisamente aquelas que contribuiram de forma grandiosa para a formação dos filhos, não posso deixar de falar sobre "Dindinha". Na minha concepção uma das maiores mulheres, que no silêncio da sua vida fez um trabalho magnífico e grandioso na qualidade de mãe e avó.


"Dindinha" era a forma como carinhosamente a chamavam. Seu nome verdadeiro Silvina Maria da Conceição. Foi ela quem criou e educou seus netos: Eloy Castriciano de Souza, Henrique Castriciano de Souza, Irineu Leão Rodrigues de Souza, Auta de Souza e João Câncio Rodrigues de Souza. Todos pequenos quando seus pais faleceram, vitimados pelo mal do século, a "Dama Branca", tuberculose. A mãe (Henriqueta) faleceu aos 29 de junho de 1879, quando tinha 27 anos. O pai ( Eloy) morreu em 15 de janeiro de 1881, com 39 anos, 1 mês e 15 dias.


Já procurei debalde alguma foto de "Didinha".Não encontrei nenhuma. Ela, diz Câmara Cascudo, não permitia ser fotografada, pois acreditava piamente que a câmera tinha poder para roubar a alma.Com ou sem foto, "Dindinha" é uma mulher que merece uma homenagem em praça pública. A razão disto foi sua luta para educar seus netos, numa época em que as dificuldades eram muitos maiores que a de hoje. Eloy de Souza foi escritor, jornalista e senador. Henrique Castriciano também foi escritor, poeta, fundador da Escola Doméstica de Natal e Vice-Governador do Rio Grande do Norte, Auta de Souza revelou-se com uma das maiores poetas deste Estado. Irineu, infelizmente, morreu ainda pequeno, num acidente com uma lamparina. João Câncio, o único que chegou a constituir família, viveu próspero em São José de Mipibu.