quarta-feira, 20 de julho de 2011

VAI PRÁS PÁGINAS DO CORDEL

O  escritor e poeta Jansen Leiros, Presidente da Academia Macaibense de Letras, no Rio Grande do Norte, leu a poesia minha que tem como título O CORDEL DA SALVAÇÃO, e tendo como base o texto:
“Cheguei no Tribunal Cristão, esperei ansioso o meu nome escutar. Um anjo de alpercatas e gibão diz em nordestinês: “Se aprochegue Manezin, venha prá cá, meu bichim. Seus fatos eu vou narrar.”  Ele fez a poesia abaixo, também com cara de cordel, mas na verdade muito mais verso livre. Parabéns Jansen, como já disse via e-mail gostei imensamente. E obrigado por ter usado minha produção para produzir esta intertextualidade. Leiam e  vejam o quanto Jansen  soube retratar  em seus versos a promessa e a razão.







JANSEN LEIROS

Cada mente armazena
Na alma e no coração
Um acervo valioso
Que guarda com atenção.

Também pensa no amanhã,
Perguntando, o que será
De mim, quando lá chegar
Nos umbrais da divindade?

Quem vem lá? Vão perguntar!
Se for de bem, diga logo!
Dez minutos, de relógio,
Logo vou lhe entrevistar.

Diga tudo que quiser
E se seu nome é Mané
Será muito bem recebido
Seja qual seja o partido

Neste posto de triagem.
Só depende da bagagem,
Que tiver no coração,
Será então recebido.

Considerado irmão
São Pedro passa o recibo,
E São Benedito, contrito,
Lhe dá a bênção e, então,
Você vai p’ra sala seguinte.


Mas, tem uma condição:
Vai colocar seu acervo,
Na mesa à sua frente,
E, se não for bem eloquente,
Vai perder o seu tesouro,

E vai levar logo um “couro”
P’ra saber se conduzir,
E, jamais me volte aqui,
Sem trazer seus paramentos,
Montado, sim, num jumento,
P’ra chamar bem atenção.

Venha aqui, também descalço,
Não ponha nenhum sapato,
Vestido num matulão.
E nessa hora, então,
Vou levá-lo a Jesus Cristo
Se ajoelhe e bem contrito,
Vá lhe pedindo perdão
Pelo CORDEL preparado
Zelosamente ajustado
Doando-lhe o CORAÇÃO.