sexta-feira, 19 de outubro de 2012

BORBOLETA INFITETA


Natal já foi mais bela
em gestões passadas
haviam as ruas limpas

árvores iluminadas
dava gosto de sair
para curtir as noitadas

A lagarta se fez
borboleta tão má
maltratando o povo
todo dia sem pará
deixando faltar tudo
só lixo a aumentar

Agora tudo é feio
borboleta sujou
as praças e as ruas
nada lhe escapou
batendo suas asas
Natal desmoronou

São tantas as mentiras
que doem em nossa alma
até quem já morreu
tem medo da danada
de pertubar o sono
de forma desvairada

Nunca teve Natal
este cartão postal
sujo e fedorento
mísera capital
governada por mosca
vetor de funeral

Tá findando seu tempo
prefeita infernal
que fez do paraíso
uma desgraça total
atingindo o povo
que não lhe fez nenhum mal.

(Mané Beradeiro)