segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

O HUMOR DE MANÉ BERADEIRO - A DEDADA



Num tempo não muito distante, num povoado chamado Timbó, interior de Nísia Floresta-RN, estava sendo realizada naquela noite o encerramento da Quaresma, com a tradicional procissão da Cruz.
O povo acompanhava Roberto (nome fictício para nosso personagem) que com orgulho e devoção levava nas mãos aquela cruz grande, enquanto atrás de si, os fiéis entoavam cânticos de louvores, com lanternas de velas. A noite não tinha lua e tudo que se podia ver estava sendo iluminado pela pouca luz das lanternas.
Mulheres e meninos eram a maioria naquele grupo, e como é de se esperar, onde há meninos é provável acontecer estripulias. E aqui não foi diferente.
Roberto, jovem maduro, delicado, solteiro por vocação, que não gostava de andar se esfregando nas moças, de repente sentiu que alguém lhe deu uma dedada. Aquilo tinha sido um absurdo! Como alguém teve a audácia de fazer algo tão baixo com ele? Principalmente num momento tão sacro, como a Via-Crucis, em plena Quaresma. Onde estava o respeito?
Ele não deixou aquilo barato. Parou a procissão e gritou: __Quem foi o filho de uma égua que deu uma dedada em mim? Perguntou.
Silêncio total. As velhinhas abismadas com tamanha revelação. Os meninos segurando-se para não estourarem na gargalhada. E Roberto, bufando, segurando a cruz e exigindo que o autor daquela dedada se pronunciasse. Nada conseguiu, restou-lhe tão somente pegar a cruz pelo pé e girá-la ao redor de si, ao mesmo tempo em que gritava: __No rabo de Beto ninguém dá dedada e fica sem levar porrada.
Pense numa cena hilariante. Velhas correndo para todos os lados, crianças passando por baixos das cercas de arame e a devoção toda por água abaixo.