terça-feira, 22 de abril de 2014

COMENTANDO MINHAS LEITURAS : ARRAIA DE FOGO

250 léguas, o que é igual a 1500 quilômetros foi o que o escritor José Mauro de Vasconcelos percorreu em 1953 para juntar material e escrever o livro ARRAIA DE FOGO. O livro foi lançado em 1955 e é uma obra muito interessante para tomar conhecimento sobre a cultura indígena, na forma romanceada.  Foi lendo este livro que  recebi uma aula sobre os costumes dos índios Caiapós, também conhecidos por Txucarramães. O livro faz referência aos irmãos Vilas Boas (Cláudio e Orlando), dois grandes batalhadores da causa indígena neste Brasil. Mas, além disto, o livro tem como objetivo conforme as palavras do próprio autor: Quero apenas apresentar o que realmente existe sobre a dureza da selva, sobre a solidão da vida, que muitas vezes nos pode levar à loucura. A selva nua, sem fantasias jornalísticas ou sensacionalismo de manchetes.  Em Arraia de Fogo aprendemos até algumas palavras da língua carajá , tais quais:
Máitire -> bonito
Quiarré êp -> tomar banho 
Puericó -> boa tarde
Pô erê criê -> está com medo
Para mim, vejo no livro a mais linda das lições que pode existir num relacionamento de amizade, a saber: a fidelidade, brilhantemente retratado entre  Canoá ( o menino índio) e  Caiá ( o homem branco). Sobre isto nada mais direi pois desafio você a ler Arraia de Fogo.

Referência:
VASCONCELOS. José Mauro de. Arraia de fogo. São Paulo: Melhoramentos, 1973.