domingo, 19 de outubro de 2014

AFLIÇÃO E MORTE NA PRAIA - PARTE 2

  Jurandyr Navarro
Em sequência ao artigo anterior, acontecimento, dos mais   desesperadores e, mais doloroso do que a própria morte, foi o que envolveu o atual engenheiro Ademar José Medeiros de Oliveira, na conhecida Pedra do Lascão, passados alguns anos. Numa rodada do Pâmpano, o então pequeno Ademar, garoto, com ou­tros da sua idade, assistiam a pesca junto aos seus pais, quando uma onda maior levantou um dos blocos de pedras soltas e, no arrastão de volta, foram atraídos para dentro das locas e a pedra voltou ao seu lugar, fechando parcialmente a abertura. Quatro meninos reapareceram e foi sentida a falta de Ademar. Havia caído na armadilha do mar, debatendo-se sem poder dela sair.
Todos adultos que ali se encontravam, naquele torneio de pesca, inclusive o seu pai Magi, tudo fizeram para tirá-lo, sendo em vão  todos os esforços. O pior estava para acontecer. Era que a maré começava a encher e, pouco a pouco, abaixo das pedras, o nível d'água lentamente subia, chegando a um ponto em que o pequeno pescador via-se encoberto, por cada vaga que come­çava a cobrir o grande arrecife.
. E tal ponto chegou que, para poder respirar, foi improvisa­do um canudo de metal, arranjado às pressas, sabe Deus como, tirado dos apetrechos de pesca de Rossine Azevedo. Vendo infru­tíferos os esforços, o pai do garoto corre e pega o carro e se dirige ao quartel do Exército, ali perto da praia do Forte; e, alucinado, na corrida põe abaixo a corrente de proteção da porta do quartel, abrindo à força a guarda, na ânsia de salvar o filho. E de lá traz Cerca de uns soldados, com uma marreta enorme e um peda­ço de trilho de trem, para servir de alavanca.
Voltando ao rochedo fatídico, recomeça o trabalho desespe­rado de salvamento, lutando todos contra o tempo, já que a maré continuava a subir, insensível às preces e ao desempenho sobre-humano dos que se debatiam pela sorte de Ademar, cuja aflição somente o seu coração de criança poderia traduzir, como prisio­neiro de uma armadilha do mar.
De tanto puxá-lo, os braços já fraquejavam, ao apelo súplice, e o corpo sangrava a cada puxão, deslizando o dorso, os ombros e o peito nas pontas afiadas e recobertas de ostras daqueles ar­recifes de coral.
Os bravos soldados e os circunstantes empregam todos os meios ditados pelo desespero da hora. E com a marreta martelam a pedra enorme, colossal, a sepultura assassina. E todos usam-na no afã de quebrá-la em pedaços.
Enquanto isso, outro grupo de pescadores forma, na ponta do arrecife, uma muralha humana, para evitar que as continuadas ondas cobrissem o pequeno Ademar, respirando pela boca com o canudo improvisado. Perdurou, ainda, a agonia, por um longo espaço de tempo. Com a maré crescendo, a pedra começa a ceder ao descompassado martelar do ferro, vergastando a rocha mari­nha, que se fragmenta, afinal, sendo o menino Ademar retirado, semimorto, das entranhas do oceano.
é desnecessário salientar as emoções sentidas pelas mulheres e homens, que assistiam aquela cena dramática. O sargento de no­me Yale tentou penetrar, por várias vezes, nos canais dos arreci­fes. Soube-se, depois, que passara toda a tarde, em sua casa, sem conter o pranto nervoso.
Gritos de desespero vibraram no ar, logo abafados pelo baru­lho da ressaca marinha.
Rossine Azevedo teve uma prolongada crise de choro, caindo, soluçando, no lajão fatídico.
Transtornados, dali saíram, daquela manhã de um domingo de Verão, Cleantho Siqueira, Luiz G. M. Bezerra e outros.
Hoje, mesmo semi-apagada pela erosão marinha, lê-se a inscrição emotiva, redigida pela pena mágica de Antônio Soares Filho, gravada num diminuto monumento, no local erguido, como re­gistro histórico da lamentável ocorrência: "Aqui, na manhã do dia 13 de abril de 1958, reuniram-se, em torno dê uma criança, o milagre, a aflição, a renúncia, o dever, o heroísmo e a solida­riedade humana".
Escapou Ademar de viver como Vulcano, durante algum tempo, numa gruta do mar. No entanto, na sua profissão de enge­nheiro, imita o deus mitológico, ao fabricar engenhos e construir o que a arte cretense estabelecer, a exemplo do que fez este, for­jando o cetro de Agamenon, a lança de Aquiles e, das pérolas do mar, moldando o colar de Hermíone.

Fonte:  http://ihgrn.blogspot.com.br/ visualizada em 18 out 2014.