domingo, 24 de outubro de 2010

OFICINA DE CORDEL: UM SERVIÇO À LITERATURA POPULAR


Terminou ontem, à tarde, a Oficina de Cordel, ministrada pelo professor, músico, escritor e cordelista Manuel Azevedo. O espaço foi na própria Casa do Cordel, sito à Rua Vigário Bartolomeu, centro de Natal. Participei dos dois momentos, sempre aos sábados. Aprendi muito sobre o que é um cordel, a ponto de ter a consciência de que o texto que produzi, intitulado Cordel da Salvação, não é um cordel propriamente dito, embora tenha característica de cordel.
Por isto, em respeito a estes grandes artistas que queimam pestanas e derretem neurônios buscando um aperfeiçoamento em seu texto de cordel, deixando-o com rima e métrica, eu, Francisco Martins Alves Neto, venho a público dizer que a série evangélica que começa a ser posta a venda em novembro, terá característica de cordel, pois farei uso da xilogravura e do formato (folheto), mas isso não lhe dá o selo da arte do cordel.
Assim sendo, meus textos, escritos por Mané Beradeiro, terão em sua capa o seguinte aviso: "TEM CARA DE CORDEL (XILOGRAVURA E PAPEL) MAS NÃO SE ENGANE, É POESIA NO PAPEL"
Desta forma eu quero manter meu carinho e respeito aos escritores que já venho trabalhando dentro do Momento do Livro, como Luiz Campos, Antonio Francisco, Kydelmir Dantas, Bob Mota,Zé Saldanha, estes sim, cordelistas da gema.
Continuarei garimpando na Casa do Cordel e quem sabe a medida que for lendo e aprendendo possa realmente um dia ser cordelista.
Na foto acima eu sou o primeiro à esquerda, ao lado do professor Manuel Azevedo, que veste calça branca.