quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

ADEUS PADRE RUI MIRANDA - UM PÁROCO "CORONEL"

Somente hoje à tarde tomei conhecimento sobre o falecimento do Padre Rui Miranda, que durante 55 anos trabalhou na Paróquia de Nossa Senhora Conceição, em Ceará Mirim-RN. Cônego Rui, o "galego" mais brabo que o Clero da Arquidiocese de Natal já teve nestes últimos 50 anos.Foi um Pároco "Coronel".Homem de fibra, que não levava desaforos para casa, nem tão poiuco para a Igreja. Convivi com eles quando menino, sendo durante muito tempo seu coroinha e depois como seminarista diocesano.
Lembro de muitas histórias que com ele vivi. Breve escreverei um esboço biográfico sobre este Homem padre, detalhe para o h maiúsculo. Certa noite,  em 1982, saimos juntos para atender várias celebrações eucarísticas na sua vasta paróquia. Ele começou a primeira missa às 18 horas, numa comunidade rural. Além desta teria mais outras 4 missas, até chegar finalmente na Igreja Matriz. Padre Rui falou baixinho para mim na hora em que acolitava: -"Põe mais vinho, pode botar". E eu entendi que para aguentar um rojão igual ao dele, somente com muito vinho regando as veias e é bíblico, afinal a própria palavra que diz: "o vinho alegra o coração do homem" (Salmo 105:15). E foi assim, na mesma medida no cálice, nas missas seguintes. Via-se claramente que na quarta missa Padre Rui já aparentava cansaço e sono, mas tinha ainda a Missa do Galo, na matriz, onde uma multidão o aguardava. Quando voltávamos, em estrada carroçável, alguém colocou propositadamente um troco de árvore para impedir a passagem da kombi. Padre Rui parou, pediu para que eu fosse rolar o tronco à margem da estrada. Deixou os farois ligados e em frente do veículo, com as mãos ocupadas, ele trazia em cada uma, um  revólver 38. E ainda gritava: -Apareça quem fez isto! Se for homem, apareça. Chegamos à matriz em paz e no altar ele princinpiava sua sexta missa: "-A missa será celebrada nas seguintes intenções.... Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo..."
Ao Padre meu abraço, minha gratidão por ter com ele convivido.
Francisco Martins Alves Neto