quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

CÂNTICO DA CONSCIÊNCIA (AO POVO DE CEARÁ MIRIM-RN)






Francisco Martins


Ela é a cidade do futuro
Um futuro distante.
Mas uma coisa é certa
Vive nos sonhos de sua glória.
Louros de um tempo colonial,
Onde engenhos tinham fogo vivo.

Acabaram-se os engenhos,
Foram todos engolidos,
Por grandes usinas.
Mas, nem isso,
Soube a cidade manter.
Tornaram-se sucatas.
E a única que resta
É comida dia após dia
Pela fome insaciável,
Do egoísmo, do abandono,
Da ferrugem.

Barão, Coronéis e Majores
Já tiveram força naquele solo.
Canaviais já entoaram,
De mãos dadas ao vento,
Louvores à glória.

Mas, a cidade do futuro
Vive hoje, na esperança
Do que poderá ter:
Educação, Saúde, Segurança,
Cultura, Lazer.

Não há mais barão,
Não existem mais coronéis,
Não se houve nenhuma voz
De major.
A cidade literalmente dorme,
Desenganada e enganada.

É preciso gritar!
Gritar nas praças,
Nas escolas, nas ruas,
Nas Igrejas,
Em todo e qualquer lugar,
Onde o povo estar.

Acordai, homens públicos!
Sede altaneiros e soberanos
Povo nobre do vale mais fértil,
Onde desabrocha a “Rosa Verde”.

05 de fevereiro de 2014