sábado, 5 de dezembro de 2015

A BRUXA DE EMAÚS II


A bruxa já conhecia Emaús; um Parna, e um Ceará pequeno. Agora a bruxa queria conhecer a ilha de Fernando de Noronha, mas sabia que era perigoso voar de vassoura para lá, tinha que atravessar o mar. E ouviu falar de um candidato a um cargo público, que quando eleito, e se fosse eleito, construiria uma ponte até lá. E de carro seria mais fácil chegar. Agora só faltava um carro comprar, e também se habilitar, com a CNH. Um breve de vassoura desde acolá ela já tinha, sem permitir a jatinhos. Ela era contra as cacofonias, achava cafona.

Tinha o hábito de cantarolar. E com tantas músicas sobre carros amarelos, estaria então decidida a cor do carrão. E então ela cantava preparando uma poção: “ ... minha Brasília amarela, está de portas abertas...”. E outras músicas: “ Agora eu fiquei doce doce.... “. E ela preparava doces, caramelos e poções que facilitassem a obtenção de uma carta de habilitação. Queria adoçar a boca do avaliador do DETRAN com doces e caramelos, pois quem sabe, ela habilitada, compraria um Camaro amarelo. Tendo como última alternativa, em ser reprovada na avaliação, uma poção.

O candidato com a promessa anunciada não foi eleito. E a ponte não foi construída por falta de conhecimentos e equipamentos técnicos; e por falta de licitação, por critérios que evitavam o superfaturamento e a corrupção. Mas a CNH foi tentada. E agora o avaliador está todo torto em cima de uma cadeira de rodas, pois não aprovou o teste de baliza e direção, não ganhou caramelos e doces, mas ganhou uma poção. Adeus estrada dos tijolos amarelos, a música do escritor e roqueiro anglicano, Thiago Gonzaga. Restou um carro amarelo empoeirado parado na garagem, e as teias de aranha enfeitavam o ambiente. Os amarelinhos da cidade, não viram o seu carro envenenado. Um carro que para vender seria preciso agora fazer uma boa revisão, era necessário levar a um posto com um bom mecânico. Precisava vender antes do amarelo ficar esbranquiçado. E Mané Beradeiro, seu vizinho, deu uma opção, fez uma sugestão.

Mane Beradeiro, era um cabra treiteiro, conhecido por contar causos na região. Andava todo arrumadinho. Dizia que a mala era de Mossoró, e o chapéu era de Caicó, com alpercatas de Acari, camisa de Natal, cinturão de Macaíba, e ceroula de Apodi. E ainda tinha uma conta bancária em Itaú. Neto de coronéis, Ezequiel e João Pessoa. Era sobrinho de tenentes, Ananias e Laurindo Cruz. Mas na verdade era um caçador de Jaçanã em Jucurutu, e suas roupas eram vindas de Brejinho, e lavadas em Lagoa Salgada. Foi candidato a prefeito em Serra Caiada, prometendo colorir a serra, tal como fez em Lages Pintadas.

E Mane Beradeiro, o contador de causo, indicou o posto do Eduardo, ali “ben pertinho”, “ben juntinho” da BR, o posto que ele parava quando ia na praia de “Pititinga”, com “un” sotaque ‘ben” fininho. Indicou o posto, para fazer uma inspeção no carro amarelo.

E lá foi a bruxa em busca do posto do Eduardo, disseram que lá tinha mecânico e lava jato.

— “Bon dia Dona”, falou o pastorador.

— “Bon dia”. Eu queria fazer uma revisão no meu carro

— Por favor, estacione logo ali.

E saiu a bruxa em busca de uma vaga para estacionar, e a bruxa de nariz empinado, queria uma vaga exclusiva, uma vaga bem destacada, para seu carro amarelo, que estava ficando fulerado.


Roberto Cardoso