sábado, 20 de fevereiro de 2016

COMO FAZER UM BOM CURRÍCULO

No Papel

Um bom currículo traz apresentação pessoal (nome, endereço e idade), formas de contato (telefones e e-mail), formação, objetivos profissionais, histórico profissional e habilidades técnicas (fluência em idiomas e conhecimento em informática, por exemplo).

Dicas para um bom currículo

  • Use uma fonte atraente, simples (as mais indicadas são Verdana ou Arial corpo 12);
  • Organize o currículo para facilitar a leitura do recrutador;
  • Tome cuidado com erros de grafia e gramaticais _pedir para outra pessoa ler ajuda a minimizar erros;
  • Em currículos em sistemas on-line (como o LinkedIn), é interessante fazer versões em português e em inglês, se tiver fluência nos idiomas

Ordem dos dados

Apresente-se colocando seus dados pessoais (nome, idade e endereço).
É imprescindível especificar seu objetivo, ou seja, mencionar em que área pretende trabalhar ou que cargo deseja assumir.
Em seguida, acrescente a formação, com destaque para cursos de nível superior e de pós-graduação (como MBA e especialização).
Após a apresentação vem o histórico profissional. Comece pela experiência mais recente, com detalhes como o período em que trabalhou em determinada empresa, cargos ocupados, responsabilidades e resultados alcançados.
Caso já tenha passado por inúmeras empresas, ressalte as passagens mais importantes e condizentes com o objetivo profissional.

Preciso escrever carta de apresentação?

Não. Ela foi muito utilizada há alguns anos, mas hoje não é imprescindível, especialmente se repetir o que é descrito no currículo. Alguns consultores aprovam fazer introdução em e-mail que será enviado para alguém específico.

É melhor padronizar o currículo ou personalizar para cada empresa?

O currículo pode ser adaptado de acordo com os objetivos em cada empresa. Nesse caso, é preciso destacar o que é mais importante para cada vaga e que habilidades e experiências são relacionadas ao objetivo profissional que foi especificado para aquela companhia.

O que é dispensável num currículo?

  • Número de documentos pessoais;
  • Fotografia;
  • Carta de apresentação;
  • Autoavaliação;
  • Número de filhos;
  • Ações descritas em terceira 3ª pessoa (desenvolveu, fez, colaborou);
  • Viagens a passeio;
  • Tabelas com dados;
  • Textos extensos;
  • Vocabulário difícil;
  • Opiniões pessoais sobre determinada empresa
  • Estado civil

Principais erros

  • Supervalorizar habilidades e experiências (como dizer que liderou um projeto do qual apenas participou ou transformar inglês intermediário em avançado);
  • Limitar o currículo a uma página quando se tem mais informações relevantes para que o selecionador conheça seu histórico profissional;
  • Encher o currículo com informações irrelevantes, apenas para dar a impressão de “volume”;
  • Dados e números confidenciais (podem ser deixados para a entrevista);
  • Usar fontes com firulas _prefira as simples, como Verdana ou Arial corpo 12
Fontes: Alexandre Attauah (Robert Half); Bruna Dias (Cia de Talentos); Carolina Ignarra (Talento Incluir); Krista Canfield (LinkedIn); consultores da Asap



Na internet

Currículo on-line deve ser igual ao de papel?

Na internet, o currículo pode ter mais informação do que no papel, mas deve manter a objetividade, afirmam consultores. Assim será encontrado por programas que buscam documentos por meio de palavras-chave.
Como a empresa pode buscar alguém com determinada experiência, vale citar palestras, cursos on-line e interesses.
Objetivos profissionais devem ser mais bem explicados _há palavras diferentes para o mesmo significado, como secretária presidencial e secretária bilíngue.
Pessoas responsáveis por clientes podem incluir os mais relevantes. Isso aumentará as chances de o perfil aparecer em uma busca por palavras-chave, segundo Krista Canfield, gerente sênior de relações públicas do site.
Fontes: Alexandre Attauah (Robert Half); Bruna Dias (Cia de Talentos); Carolina Ignarra (Talento Incluir); Krista Canfield (LinkedIn); consultores da Asap