domingo, 28 de fevereiro de 2016

Identidade de gênero? Modelo transexual se arrepende da mudança de sexo

Uma das grandes “conquistas” do movimento gay atual é a propagação da ideologia da identidade de gênero – de que uma pessoa pode identificar-se como sendo de um gênero oposto ao de seu nascimento, e isso ser absolutamente normal. Eles propõem como “solução” a mudança de sexo, que traria ao “transgênero” a paz de espírito tão almejada. Mas nem tudo são flores. Em muitos casos, os transgêneros continuam com seus conflitos de identidade mesmo após a cirurgia de mudança de sexo. Exemplo recente disso é Leandro Cerezo, mais conhecido como Lea T – top model internacional que se arrepende de ter feito a cirurgia.
Lea T. é filho do ex-jogador da Seleção Brasileira de futebol Toninho Cerezo e, em 2012, fez uma cirurgia para “se tornar” mulher. No entanto, desde antes do procedimento, ele atuava como modelo internacional, fazendo campanhas para marcas famosas, como a Givenchy – sempre vestido de mulher. A cirurgia seria a “chave” para a felicidade completa de Lea T.
Mas não foi isso que aconteceu. Em 2013, após um ano da mudança, Lea T. admitiu em entrevista ao Fantástico que a cirurgia não trouxe felicidade. “Eu não aconselho essa cirurgia para ninguém. Eu achava que minha felicidade era embasada na cirurgia. Mas, não foi. Não é isso”, disse ele, na época.
Quase três anos após a entrevista, os dilemas de Leandro só aumentaram. De acordo com o portal Tribuna da Bahia, ele passa a maior parte de seu tempo recluso em uma fazenda da família, em Minas Gerais. Lea T. ainda procura se esconder quando sai a público, usando peruca e óculos escuros. E mais: agora, “ela” só namora mulheres.
Os problemas de Lea T. não são exclusivos. Por mais que o movimento gay procure divulgar a mudança de sexo com a “solução” para o problema da identidade de gênero, a verdade é que a cirurgia, na maioria dos casos (para não dizer em todos) não trata do problema, mas o agrava. Segundo uma pesquisa realizada em 2011, 41% dos transgêneros afirmam que tentaram o suicídio pelo menos uma vez.
O pior de tudo isso é que, ao disseminar a ideia de que a solução é a mudança de sexo, os ativistas do movimento gay impedem que as pessoas com problemas na sua identidade tenham o tratamento adequado. “Mesmo que suas intenções possam ser boas, muitos ativistas pela aceitação dos transgêneros impedem que essas pessoas consigam a ajuda que precisam. Porque os transtornos mentais que coexistem com o problema de identidade não são tratados adequadamente, é provável que os altos índices de suicídio entre a população transgênero continuem”, afirmou Walt Heyer, ativista que auxilia pessoas que se arrependem da mudança de sexo.
Heyer também fez a cirurgia no passado e, assim como Lea T., se arrepende da experiência. Segundo ele, os desejos de querer ser uma mulher foram a base dos seus conflitos internos, e a solução não foi a mudança de sexo – mas sim tratamento psicológico, que fez tais desejos desaparecerem. “Quando um diagnóstico correto do meu transtorno dissociativo foi feito, o primeiro tratamento eficiente pôde enfim começar. Levou muitos anos mas, à medida em que eu levei o tratamento adiante, meus desejos de ser uma mulher foram se dissolvendo, até que desapareceram completamente. Eu descobri que a cirurgia de mudança de sexo foi desnecessária, mas era tarde demais. Meu corpo havia sido mutilado de forma irreversível”, disse Walt, que concluiu: “Espero ansioso pelo dia em que a prática atual de recomendar a cirurgia de mudança de sexo para todos os que expressam insatisfação com seu gênero de nascimento seja encarada como uma barbárie.”

Por Mariana Gouveia
Foto: redken.com.br

Fonte: Disponível em < http://conscienciacrista.org.br/identidade-de-genero-modelo-transexual-se-arrepende-da-mudanca-de-sexo/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+VINACC_Posts+%28Consci%C3%AAncia+Crist%C3%A3%29> Visualizada em 28 fev 2016