quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A DATA

A primeira vez que a vi foi algo emocionante, único, inesquecível. Eu estava com vinte e um anos, servia o Exército no 16º Batalhão de Infantaria Motorizado , em Natal - RN, a data foi 25 de agosto de 1985.
Naquela manhã o 16º BIMTZº celebraria com festividade o Dia do Soldado. Autoridades convidadas e familiares dos militares estariam presentes, da maior patente ao soldado recruta.
Após o desfile militar, os presentes podiam visitar as instalações do quartel, andar pelas Companhias, conhecer os armamentos expostos, enfim tomar conhecimento sobre o universo em que vivia o soldado da Infantaria.
Naquele dia e também em nenhum outro de 1985 eu recebi visita dos meus familiares. Sentindo-se só, resolvi dá umas voltas pelas outras Companhias, não sabia que aqueles passos me levariam ao encontro da mulher da minha vida.
Sai da área da 1ª Cia de Fuzileiros, a Altaneira, e caminhei à Cia de Apoio, a Soberana.

MARTINS, Francisco. Manuscrito do Amor. Parnamirim, Carolina Cartonera, 2015, p. 5