terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A AVÓ DA SAIA DE MERINÓ - A POÉTICA HISTÓRIA DE DINDINHA - 43º CORDEL DE MANÉ BERADEIRO

Quatro dias, de 20 a 24 de janeiro,  foi o tempo que levou o poeta Mané Beradeiro para escrever o cordel " A avó da saia de merinó  - a poética história de Dindinha". O folheto terá 36 estrofes, em sextilha, cada uma com versos heptassílabos. O cordel é um resgate da memória de Silvina de Paula Rodrigues, a Vovó Dindinha, que no silêncio da sua existência foi a mãe de cinco netos: Eloy de Souza, Henrique Castriciano, Auta de Souza,  Irineu de Souza e João Câncio. Veja algumas das estrofes:



Silvina foi a mulher
Cujo busto honraria
A Praça de Macaíba
E ninguém desmentiria
Pois na terra do Brasil
Outra igual não havia.
Eloy e Henriqueta, os pais  das crianças
Doravante chamaremos
A humilde, dadivosa,
Pelo nome de Dindinha
A avó maravilhosa
Que foi mãe dos cinco netos
De maneira gloriosa.
Henrique Castriciano e Eloy de Souza

Eloy de Souza ouvia
   Dindinha ensinar
A aula forte da vida
Que cedo fez soletrar
Ficando órfão da mãe
Que pouco pode amar.
***
“Há em cima deste chão
Tão certo como o ar,
Há embaixo deste céu,
Tão grande como o mar,
Um ser que chamamos morte,
Que ceifa sem cultivar”.
***
Auta de Souza e João Câncio
Se eu pudesse faria
Sem sombra de ilusão
Um altar pra esta santa
Em toda religião
Que no silêncio da vida
Teve grande galardão.
***
Ao poeta Criador
Peço cheio de fervor
Quando eu chegar ao céu
Conceda-me  o favor
Vê desta avó a face
Repleta de esplendor.

Referência
SOUZA, Eloy de.Memórias.Natal-RN/Brasília-DF: Instituto Pró-Memória de Macaíba - RN/ Senado Federal,2008. 2ª edição.