segunda-feira, 30 de abril de 2018

A NATAL QUE EU CONHECI ... VICENTE SEREJO

No dia 30 de abril de 1989, o jornal O POTI publicou dentro da série  "A Natal que eu conheci" a seguinte crônica escrita por Vicente Serejo ....




“Não faz muito tempo. Quando cheguei a Natal, saindo de Macau no ônibus de Chico de Gustavo, hoje Empresa Cabral, aqui encontrei uma cidade que era grande aos meus olhos, talvez magicamente maior que a de hoje, por suas ruas compridas, suas praças grandes, seus prédios enormes.
Cheguei em 1960, quando Natal cantava os versos da canção de Aluízio Alves, “que vinha do sertão, lá do Cabugi, para sanar o sofrimento do seu povo”. Era a campanha e dela eu só tinha notícias vagas nos meus nove anos.
Aqui chegando, arrastando tudo quanto tinha vida, conheci muito intimamente, uma praça: a Praça Pedro Velho. Naquele tempo ela não era cívica, não tinha palanque de solenidade e não ouvia dobrados.
No centro, assim cercada de árvores muito bem podadas, tinha um coreto. Foi lá que um maluco encheu de espanto a cidade pacata quando resolveu pedalar durante cinco dias sem parar um instante, nem para fazer aquilo. Passei madrugadas controlando suas pedaladas, eu que descobrira nele a primeira imagem de herói.
Ora, tinhas árvores podadas. Fícus muito verdes e muito bem cuidados, sem a praga dos lacerdinhas e sem defensivos. Praça de canteiros cheios de flores, de uns sapatinhos de Nossa Senhora e de umas florzinhas vermelhas e leitosas.
E tinha uns tanques. Uns enormes tanques de cimento, cheios de água. Naqueles tanques, onde se dizia ser um perigo alguém mergulhar, moravam algumas tartarugas que comiam pipocas, sob o olhar severo dos vigias.
Uma noite, a praça encheu-se de pavor, com a notícia de que um homem tinha tirado toda a roupa e mergulhado num dos tanques. Veio a polícia e saiu o pobre homem cercado de soldados. Era um bêbado, quem sabe, cheio de muito calor e muito álcool, desejando apenas um banho para refrescar.
Mas, não era só a praça. Do lado tinham os campos e neles a imagem de uma grande construção que começava e que só teria nome e forma alguns meses depois. O Palácio dos Esportes. Acompanhei os arcos de suas fachadas sendo erguidos dia a dia, até que recortassem o céu em meias-luas, como até hoje.
O busto de Pedro velho não era, como é hoje, uma coisa tão cívica assim. Era um busto com pedestal de granito e cimento e a mesma e incansável mulher de bronze a ofertar ao fundador da República, entre nós, um ramalhete de flores. Ora, flores de bronze, é claro, mas flores de qualquer maneira, homenagem da cidade ao político.
Depois, quando o civismo chegou, então o busto de Pedro Velho saiu do centro da praça, que ficou maior e mais cheia de pedras e desenhos no chão. Foi para perto do palanque, ali do lado da Prudente de Morais. Foi também a mulher de bronze, que os meninos apalpavam suas formas.
Hoje, a bem da verdade, a praça Pedro Velho não diz muito. É uma coisa entre o lembrado e o esquecido, um lugar de desfiles de escolas de samba, corrida de bicicleta, desfile do 7 de setembro, de tudo. Mas, não diz nada.
Para viver, outra vez, é preciso que se olhe a sua fotografia antiga. O quadro que foi, no início dos anos sessenta, revive no lance de olhar dessa fotografia que colocaram aqui, diante dos olhos, muito perto do coração. A velha praça, onde tirei uma fotografia ao lado da minha tia morta e que carrego até hoje, com seu sorriso de carinho que nunca esqueci”.
 Já se foram 29 anos e Natal está assim...
 (foto)