quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

O HUMOR DE MANÉ BERADEIRO


Um dia um francês estava visitando Natal e foi conhecer uma feira livre. Ao chegar junto a um matuto, que vendia côco, falou:
-Bonjour!
-Não é beiju não, é côco. Respondeu o matuto.
-Comment s'apelle ce fruit?
-Não se pela, se descasca. Disse o vendedor já mangando do francês.
-Comment?
-Com as mãos não, com uma enxada ou um facão.
-Alors, je ne compred pas. Desculpa-se o francês.
E o matuto já bem irritado responde:
-Se não quer comprar, vá pro inferno...

****

E tem outro causo, que Chico Novo, lá de Dom Marcolino Dantas, interior de Maxaranguape-RN, gosta de contar. Diz ele que certa vez dois rapazes da zona rural começaram a estudar francês. Eles não tinham professor e estavam "aprendendo" francês à sua maneira.
Um dia, um dos alunos chega na casa do outro e diz:
-Pudere entrê?
-Puderê! Responde o amigo.
-Má non pudere proque frechê.
-Então pulé pur riba. Aconselha o outro.

Pérolas da nossa história garimpandas por Mané Beradeiro.

****

O 1º causo foi tirado do livro: Eles me Contaram. Humberto Pignataro. Natal Editora, 1999. Página 20.
O 2º causo foi ouvido do próprio Chico Novo.

***
Breve o show de Mané Beradeiro para os amigos do Momento do Livro. Cadastre-se e ajude este projeto cultural. Valor do ingresso R$ 10,00 ( preço único). Maiores informações pelo telefone (84) 9178 0954.