segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

MANÉ BERADEIRO ESCREVE A PAULO BALÁ

Seu Dotô Paulo Balá,

No cuido de conhecer vosmecê pessoalmente, pus-me a escrever esta carta. Na verdade, ela surge somente depois que fiquei horas e horas acerando a idéia e tentando criar coragem para fazer.
Sou Mané Beradeiro, natural de São Sarauê, a terra mítica e lendária dos sertanejos.
Vivo desde o mês de ... nestas terras potiguares, contando causos e declamando poesia matuta, tudo da literatura local.
Lembro-me bem que quando eu estava arrumando os cafiotes para vir conhecer o Rio Grande do Norte, um grande amigo seu, Oswaldo Lamartine, falou-me: Mané quando chegar em Natal não deixe de conhecer Paulo de Balá. Ele pode ajudá-lo muito.
Homi, confesso que ao ouvir este palavreado de Oswaldo Lamartine, fiquei ainda mais apigorando ver o homem que é Paulo Balá ( Paulo Bezerra). Trouxe na minha mala seus dois livros e chegando aqui, fui agraciado pelo Dr. Paulo de Tarso com o seu último livro. E se você se autodenomina "catador de conversas antigas", saiba que eu, Mané Beradeiro sou um apaixonado para contar estas histórias a presente geração que quase em sua totalidade nada sabe de homens como Oswaldo Lamartine, Veríssimo de Melo, Nilo Pereira, Edgar Barbosa, Câmara Cascudo, etc.
Os jovens carecem de cultura. Que estão ensinando a esta geração? A peleja é grande e pelo que tenho visto não é coisa curta é prá um magote de dias. Vou ficando por aqui, todo ancho, porém amoitado, pois não sei se vosmecê vai querer me conhecer, um cabra tão cheio de capilossadas como eu.
Receba um abraço de Mané Beradeiro