terça-feira, 24 de novembro de 2015

O ELOGIO AO PATRONO



Dia 19 de novembro, o poeta Mané Beradeiro, membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Literatura de Cordel-ANLIC fez a saudação ao seu patrono,  em evento promovido pela ANLIC e a Associação Casa do Cordel, na Árvore de Natal, em Mirassol - Natal -RN. Estiveram presentes vários membros da ANLIC e nesta mesma noite a confrade Rosa Regis também homenageou sua patronesse Maria Eugênia Montenegro, em seu centenário.
Mané Beradeiro com a pelerine da ANLIC
 

GUMERCINDO SARAIVA - CENTENÁRIO DE NASCIMENTO (1915-2015)

Mané Beradeiro

Ao Poeta Maior
Cordelista da vida
Peço inspiração
De forma atrevida
Pra louvar Gumercindo
Nesta noite devida.

Foi lá em Baixa Verde (1)
No dia dois de junho
Mil novecentos e quinze
Que nasceu forte punho
Gumercindo Saraiva
Tá lá no testemunho.
 
Gabriel foi seu pai
A mãe  era Maria (2)
Aos doze de idade
Perdeu a harmonia
Vendo a mãe partir
Com grande ousadia.

O pai, ferroviário
Conhecia bem o trem
Porém  a boemia
Não deixava por ninguém
Nem mesmo por Maria
Que jurou ser seu bem.

Maria foi pro Rio (3)
Cinco filhos levou
Somente Gumercindo
Não se aventurou
Ficou com o seu pai
Natal lhe abraçou.

Rocas lhe hospedou
Teve um professor
Que viu em Gumercindo
Menino de valor
E sem pestanejar
Lhe foi o preceptor.

Quem cresceu e viu pássaros
Cantando melodias
Tatuou na su’ alma
Notas e poesias
Que no tempo bem certo
Nos deu a alegria.

Gumercindo foi lido
Em jornais deste chão
Jornalista querido (4)
Que com afirmação
Semeou a cultura
Sem  ter abstenção.

No centro de Natal
O professor montou
A “Casa da Música” (5)
Que  muito ajudou
No ramo musical
Quem discos lhe comprou.

Paulo Macedo  diz:
“À Casa sempre ia
Ver a reunião
Que por lá existia
Todo final de tarde
Na maior alegria” (6).

João da Mata lembrou (7)
O homem cativante
De baixa estatura
Coragem de gigante
Que a vida amava
Sendo irradiante.

Tudo nele vibrava
Com maior harmonia
E isso o levou
Para Academia (8)
O  escritor Gumercindo
Plantando melodia.

 Autor de vários livros
A nós ele deixou
Pesquisa bem aceita
Sobre o que lançou
Gumercindo Saraiva
Se imortalizou.

Na  poesia foi um mestre
Trovador de canções
Com rima e métrica
Encantou corações
As estrofes e versos
Traziam emoções.

Com a pena na mão
Ele foi um fulgor
Poeta cordelista
Musicista, professor
Falo do meu patrono
De real esplendor.

 Vou pegar a rabeca
Dá nota de saudade
Entrar no tempo terno
Lembrar felicidade
Tocar um violino
Falar da mocidade

Foi aos 23 anos
Gumercindo casou
Extremoz foi o lugar
Onde  sacramentou
Jurando ser fiel
Wilhermim confiou (9)

Do laço de amor
Quatro filhos gerou
Maria, Júnior, Antônia,
Sônia  epilogou (10)
Gumercindo Saraiva
Produção ultimou.

 A vida é um rio
Correndo sem parar
Sabemos dela fonte
Mas não quando chegar
No leito tem um barco
Que nos leva pro mar.

Neste barco  só cabe
O bem que produzimos
Não se leva dinheiro
Somente que sentimos
Gumercindo Saraiva
Cumpriu esse destino

Manoel Onofre diz (11)
“Ao som do violino
Entrou naquele  barco
Quem um dia foi menino
E  partiu de Natal
Um grande nordestino.

 Termino o cordel
Com prazer, alegria
Por  ser um Beradeiro
Que louva nesse dia
Um homem que plantou
Pura sabedoria.

Anos vão se passar
Mas o que dele disse
Ninguém pode mudar
Foi essa a história
Não podemos negar.

A ANLIC pediu
Saudação eu fazer
Cem anos  do Patrono
Não é pra esquecer
Palmas pra Gumercindo
Que fez por merecer!

Notas

1)      Baixa Verde  atual cidade de João Câmara
2)      Gabriel Saraiva de Moura e Maria Arruda, pais de Gumercindo
3)      Em 1927 Maria não suportando a vida boêmia do esposo resolveu ir embora para o Rio de Janeiro, levando consigo cincos filhos.
4)      Foi jornalista de vários jornais, entre eles a “A República”e a “Tribuna do Norte”, sócio fundador da “Associação Norte-rio-grandense de Imprensa”
5)      Na Avenida Rio Branco, nº  705, Cidade Alta, onde hoje é o Sebo Vermelho,  Gumercindo Saraiva instalou a sua loja de discos e instrumentos musicais, que funcionou por mais de 40 anos.
6)      Paulo Macedo, jornalista, membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, lembrou ao autor que enquanto durou a “Casa da Música”, Gumercindo Saraiva recebia todo final de tarde, de segunda a sexta feira,  poetas, músicos, trovadores e escritores para uma reunião de confraternização.
7)      João da Mata Costa, amigo de Gumercindo Saraiva. 
8)      Foi membro de diversas instituições culturais. Na  Academia Norte-Rio-Grandense de Letras  tomou posse em 8 de dezembro de 1976, na cadeira 6.
9)      No dia 27 de janeiro de 1939, Gumercindo Saraiva  casou-se com Wilhemim de Oliveira Saraiva, em Extremoz-RN. 
10)    Os filhos foram:  Maria Chaminaide Saraiva de Moura Caldas,  Gumercindo Saraiva Júnior,  Antonia Moura Saraiva e Sônia Maria Saraiva.
11)   Manoel Onofre Jr, escritor, membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, disse ao autor que Gumercindo faleceu em 20 de maio de 1988, durante  o lançamento do segundo número do jornal “O Galo”, na Fundação José Augusto, em Natal.

Referências:


1)      CÂMARA, LEIDE. Centenário de nascimento do violinista Gumercindo Saraiva (1915-2015). ANL Revista, Natal, nº 42, p. 66-73, janeiro – março 2015.
2)      COSTA, JOÃO DA MATA. Centenário de Gumercindo Saraiva. Tribuna do Norte, Natal,  6 setembro 2015




Informações catalográficas

Título: Gumercindo Saraiva – centenário de nascimento: 1915 – 2015
Autor: Mané Beradeiro
Data: 15 de novembro 2015
Métrica: sextilha aberta
Rima: xaxaxa
Capa: arte de Alessandra ....( Foto Acervo da Música Potiguar)
Marcadores:  Gumercindo Saraiva, biografia,  Academia Norte-Rio-Grandense Letras, Academia Norte-Rio-Grandense de Literatura de Cordel, patrono.