segunda-feira, 21 de março de 2016

TORPEDO DE MANÉ BERADEIRO 012/2016

Dona Cotinha, tadinha! Diante da situação política em que vive o país, está tão preocupada que a semana passada nem teve tempo de ficar fazendo fuxico dos seus vizinhos. Eu até estranhei. Cadê Dona Cotinha? Perguntei ao marido. "Foi ao médico, está com a pressão altíssima". Dona Cotinha é muito materialista, já seu esposo, ao contrário, vive dizendo pra ela: "Cotinha, lembre-se que caixão não tem gaveta, nem mortalha tem bolso". Estou torcendo para Dona Cotinha não passar dessa para o além,  mas que é verdade é: "PORQUE NADA TEMOS TRAZIDO PARA O MUNDO, NEM COISA ALGUMA PODEREMOS LEVAR DELE" (1 Timóteo 6:7)  Cá prá nós, bem que o caixão de Dona Cotinha devia ser com dois compartimentos: um para o corpo e o outro para a língua.