quarta-feira, 28 de setembro de 2016

POEMA DO ENVELHECER

Olho-me no espelho,
Não me canso de me olhar.
Aquela que procuro se escondeu.
Onde? Em que lugar?

E o tempo não perguntou a mim
Se eu desejo ou não envelhecer assim.

Fico me olhando sem entender
O porquê das rugas, dos olhos baços,
Dos cabelos brancos e flácidos braços.

E o tempo não perguntou a mim
Se eu desejo ou não envelhecer assim.

Meu olhar é tão triste!
Tudo é triste ao redor de mim.
Ah! se eu pudesse o espelho virar
E do outro lado minha face encontrar!

Mas o tempo não perguntou a mim
Se eu desejo ou não envelhecer assim

Maria Eugênia
Açu - IX - 1991 

Referência: Revista da Academia Norte-rio-grandense de Letras, nº 25, janeiro 1996, página 187.