terça-feira, 20 de abril de 2010

APODI ANO 40

Apodi vive o ano de quarenta! há forte inverno e rios transbordantes! A lagoa é espelho, que apresenta, do infinito azul, nuvens errantes!
Intransitável fica a várzea inteira! Na roça o milharal viçoso cresce; farfalham verdes leques da palmeira e o canto dos canarios enternece...
Reina alegria! Há fartura imensa: leite de três tostões; queijo de graça...
Isto é felicidade, a gente pensa, e o tempo preguiçosamente passa...
Agora, findo o inverno, há pescaria e colheita intensiva de algodão. Disseram, que o mundo acabaria, no eclipse total. Que confusão!
Em noite enluarada, há serenata! Antonio Flor dedilha o violão...
do pereiral aroma se desata e o trovador suspira, na canção!
Amantes da pilhéria e da chacota com apelidos molestando estão Maria Velha, Casimiro Bota, Tatá Luzia, André, Chica Ferrão...
Apodi! A lembrança, que atormenta minh'alma, relicário de emoção, fala de ti, daquele ano quarenta, dos dias de ventura e ilusão!...

(Fonte: Lixívia e Rimas a êsmo, de Moacir de Lucena. página 73. Gráfica Nordeste 1979)