domingo, 9 de setembro de 2012

A DORMIDA NO MOTEL

Mané Beradeiro e o Jumento Ananias
Ele, Pastor  Marculino (nome fictício) saiu de uma cidade do interior do Rio Grande do Norte com destino até Maceió-AL, oonde deveria buscar um cantor evangélico para uma apresentação em sua cidade. Foram várias horas de viagem, cansativa, sem paradas para descanso. Ele, Pastor Marculino e mais dois jovens estavam exaustos, com sono, e pouco dinheiro para poder pagar um hotel em Maceió e descansarem com dignidade.
Pensam, pensam e resolvem finalmente ir dormirem num motel, isto mesmo, num motel. Era somente o quê o dinheiro permitia. Chegam à portaria do motel, o Pastor Marculino fala:
-Moço, por favor, nos dê a chave de um apartamento. Estamos chegando de viagem longa, cansados e queremos dormir.
O recpcionista consegue vê que além daquele senhor, alto, forte, de cabelo grisalho, estão também dois jovens e sussura para si mesmo:
"É sempre a mesma converzinha. Bichona!"
Pastor Marculino ainda consegue ouvir o  bichona, mas finge que não é com ele.Lá dentro do apartamento, o primeiro grande problema: uma única cama, de cimento, redonda, para três homens dormirem. A gargalhada foi geral. Mas eles chegam a denominador comum. Descansam, dormem, no outro dia bem cedo decidem sair do motel e quando pedem a conta são indagados:
-Quantas camisinhas vocês usaram?
Nova crise de risos. Explicam que nada usaram! Pagam e quando saem do motel, algo em torno das seis horas, deparam-se com várias pessoas caminhando. Uma senhora, sexagenária, percebe que naquele carro há tão somente homens e sentencia:
-Que falta de vergonha. Três homens juntos, num motel. Aposto que este mais velho (apontando  para o Pastor Marculino) é a bichona!
E lá foram os homens em busca do cantor evangélico para retornarem naquele mesmo dia para o Rio Grande do Norte.
Como não se bastasse, um deles percebe que deixou o relógio no banheiro.Um relógio que para ele tinha valor inestimável, pois fora presente de alguém muito querido.  O Pastor até teme em retroceder, mas cede aos apelos. O danado mesmo foi na recepção:
-Moço, voltamos, pois esquecemos um relógio no banheiro. Diz o Pastor.
-Um relógio e duas camisas, a farra foi grande!

Moral do causo: Não julgue pelo ambiente, nem sempre quem nele está vive na gandaia.