quinta-feira, 6 de setembro de 2012

CEM ANOS DE GONZAGÃO


Luiz Gonzaga - O eterno Rei do Baião




Autor:  Emmanoel Iohanan



Ai, que saudade que sinto
De Gonzaga, o Rei do Baião,
Das festas do mês de junho,
Santo Antônio e São João,
São Pedro... quanta beleza!
Saudades do meu sertão.

Fogueiras, comidas típicas,
Rastapé, animação...
Meu peito fica apertado,
Chora, dói, meu coração
Quando lembro o saudoso
Gonzaga, Rei do Baião.

Se vivo ele estivesse,
Cem anos completaria.
O dia treze do doze
Peço, guarde esse dia!
Foi Exú, em Pernambuco,
Que nos deu essa alegria.

Essa pequena cidade
Deu a luz pr´um grande rei,
O filho de Januário,
Igual ele, ninguém fez.
Cantou a fundo o Nordeste
Com firmeza e altivez.


Gonzaga, saudoso amigo,
Só tenho a te agradecer
E a Deus por ter nos dado
O presente que é você.
Que mais cem anos se passe
Sem ninguém te esquecer.

Eu também sou arretado
Carrego em meu sangue a rima
E nos versos que componho,
Sou menino que traquina!
Não esqueço minhas origens,
Nem as lágrimas nordestina.

Cem vidas eu te daria
Se cem vidas as tivesse.
Pra tê-lo por mais cem anos
Cantando o meu nordeste
Da forma que tu cantaste
Gonzaga, Cabra da Peste.