terça-feira, 15 de maio de 2012

Texto em deferência a Aracy Gomes, Glória de Oliveira, Geraldo Tavares, Francisco Martins (E a tantos outros que labutam nesta nobre causa)

Escrito por Angélica Fernandes de Oliveira Vitalino
  Mas que tanto esforço é esse para garantir que esse tal objeto chegue às mãos de uma criança?   Por que tanta insistência nisso?  São formações, visitas aos espaços de leitura, escrita de textos, incontáveis ligações telefônicas, múltiplas ações nas instituições escolares (tendas literárias, saraus, bate papos com escritores, etc e etc), “aconselhamentos”, presença em eventos, e leitura, muita leitura!  Haja garra intelectual e força física para um investimento de tal porte! 
Apenas para garantir que tais crianças aumentem seu repertório e, assim, tenham acesso às informações ampliadas mundiais?  Para que mudem o olhar e  pensem, severamente, no outro?  Para, tão somente, estreitar vínculos com o outro mediador, com o autor e também interaja com a arte?  Para diversão gratuita, transportando-se para outros mundos e realidades?  Para desenvolver o princípio da democracia?  Para estimular alguns a arriscar-se a mudar seu país?  Para ser brindado com benefícios de crescimento profissional?  Para refletir sobre sua própria história e, então, exercer influência consciente e positiva sobre ela?  Para se transformar em um imortal?  Para diminuir a pobreza, a exclusão, a injustiça, a marginalização?  Só para garantir que os meninos e meninas desta geração mudem o seu mundo e o porvir?  Devaneios e loucuras, que insistência com essa dinamite!
 Fonte: http://www.escolasleitoras.org.br/novo/blog.php