sábado, 25 de março de 2017

AS PRENDAS DO RECATO QUE OS ANOS NÃO TRAZEM MAIS/ OS PORTA-SEIOS

Também se demorou para mostrar
(nem eu pedi, desaprendi a fala)
Os seus peitos desnudos. Um trabalho,
Desabotoar o sol dos porta-seios.

Eu não cuidei das ânforas perfeitas,
Ferido como fui pelas adagas
Que me queimavam curvas, revelando
As verdades da vida, horizontais.
Tudo era transparência de cambraias.

Thiago de Mello

(continua amanhã)