terça-feira, 11 de outubro de 2016

PEQUENA CRÔNICA DE UMA FOTO DA VIDA

Uma mesa, sobre ela um bolo e nele velas que representam luz e vida. Ao redor da mesa três irmãos se abraçam. Da esquerda para a direita: Suerda, Raimundo e Francisca. São eles as últimas sementes de um homem chamado Chico Martins.  A família já foi bem maior, faltou a esta festa de 73 anos de Francisca Martins a presença física do patriarca, da sua primeira esposa Ana Cristina, dos filhos por ela gerado: Dudu, Raimunda, Albeniz e Benigna. Todos estão do outro lado do tênue fio que chamamos vida. Juntos a esses há também Marli, aquela que dedicou sua vida a Chico Martins dando-lhe o último rebento, o filho benjamim: Raimundo.
Saudamos a vida! Brindemos os dias que nos aquecem e as noites que nos cobrem. Vamos ser gratos em cada momento. A vida  é como a imagem acima. Chegamos por uma porta  estreita, aberta à luz. Existimos entre essa e uma outra maior, fechada, grande e cinzenta, como são todos os mistérios, mas quem tem sobre ela Jesus (crucifixo)  não teme jamais atravessá-la, pois sabe que do lado de cá a festa é efêmera. Já do outro, ah! do outro tem a alegria de Chico Martins, a maestria de Ana Cristina,  os olhos verdes de Benigna, a  placidez de Marli, as gargalhadas de Raimunda, a irreverência  bondosa de Dudu e aquela paz do sorriso de Albeniz, a única que passou sua existência com esse pseudônimo, pois se chamava verdadeiramente Antonia.
Vivamos! Porém não vamos deixar de lembrar quem tanto nos amou!

Francisco Martins (11 outubro 2016)