segunda-feira, 3 de outubro de 2016

QUANDO A SCHEELITA FOI DESCOBERTA NO RN

Foi no dia 5 de outubro de 1941, na Fazenda Riacho de Fora, município de São João do Sabugi-RN,  então propriedade do Dr. José de Medeiros Rocha, médico, que um grupo formado por ele e Agostinho Santiago de Medeiros, advogado, Joel Celso Dantas, radiotécnico, José Dantas, bancário, José Jeremias de Medeiros, Antonio Cipriano e Tomás Farias saíram em excursão planejada, dentro da fazenda, com o intuito de acharem minérios.
O grupo andou por duas horas e nada encontrou. Por volta das 9 h, já na proximidade da casa grande Agostinho Santiago de Medeiros Brito viu uma pedra de cor parda que despertou sua curiosidade. Ninguém sabia de que tipo de minério era aquela pedra. Apanharam uma  certa quantidade e o próprio Agostinho a levou para Campina Grande-PB, onde confiou o exame ao senhor Silveira Brasil, que naquela época, era o único comprador de minério do Nordeste, para que o mesmo fizesse a análise.
Semana depois Agostinho recebeu comunicado que o minério tinha sido identificado como barita, sem valor comercial.Joel Celso Dantas que fizera um teste químico com o minério, não ficou convencido com o resultado vindo de Campina Grande e mandou uma amostra da pedra para o Cônego Luíz Monte, em Natal, que afirmou ser scheelita, minério de tungstênio e de alto valor econômico e industrial.
E foi desta forma que a scheelita foi descoberta no Rio Grande do Norte.

Referência
MARINHO, Djalma. Discursos Parlamentares. Brasília, Câmara dos Deputados, 1982.