terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O ANJO DO TEATRO ALBERTO MARANHÃO


Quem visita o Teatro Alberto Maranhão, em Natal, certamente lembra-se de ter sido recepcionado pelo senhor Pedro Salustino de Andrade. Ele sabe a história daquele teatro, também pudera, é um referencial quando se trata do TAM. Vive ali nada mais nada menos que cinquenta e oito anos, desde o dia 25 de janeiro de 1950, quando da gestão do prefeito de Natal, Wilsom Miranda.
Naquela época o TAM estava sob a responsabilidade da Prefeitura de Natal e diz o anjo do TAM que muitas vezes não havia recursos suficientes para cuidar do teatro. Quando isso acontecia, Pedro Salustino de Andrade saia pelo comércio pedindo gêneros de material de limpeza para conservar a casa de espetáculo de Natal.
Fez isso não apenas uma vez, mais várias e tantas quantas foram necessárias. Saia a pé, andando da Ribeira até os limites da capital, onde ficava o 16º Batalhão de Infantaria Motorizado. Por tais atitudes e dedicação, cabe a Pedro Salustino o título de Anjo do TAM. A Diretoria do teatro reconheceu os serviços prestados por Pedro e homenageou com uma placa onde registra os cinquenta anos de dedicação àquela casa.
Pedro é morador da Rua Alípio Bandeira, Quintas, tem treze filhos, doze netos, dois bisnetos. Viu muitas companhias de teatro chegando ao TAM e emociona-se ao lembrar a despedida de Procópio Ferreira, que aconteceu no palco desse teatro em 1979.