quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O HUMOR DE MANÉ BEDAREIRO


Não podíamos terminar 2009 sem contar um causo, não é verdade? Então hoje vamos falar sobre o sofrimento vivido por Iberê Ferreira. Eis como tudo se sucedeu: estava Iberê, Agnelo Alves e Fernando Bezerra viajando num jatinho da Força Aérea Brasileira-FAB, quando de repente o avião começa a balançar, provocar solavancos e tudo isto foi criando um mal-estar a Iberê Ferreira. Ele começa a suar frio. O pior ainda viria, quando descobriraram que aquele jatinho não tinha banheiro. Iberê estava suando às bicas, sentido fortes cólicas, apertando a barriga e temendo fazer o serviço ali mesmo nas calças. O coitado estava feito cobra que perde o veneno: inquieto e iriitado.
Mas, como para tudo há solução, Fernando Bezerra sugeriu que ele usasse a pasta.
__Essa não, comprei na Europa e foi uma nota.
Aí então, o piloto vendo o sofrimento de Iberê lembra que havia uma maleta de emergência. Agnelo ajuda a esvaziar a maleta e finalmente, Iberê com ela agarrada, faz frecheira para os fundos do jatinho, onde agacha-se e se alivia. Enquanto isto, lá na cabine, Agnelo e Fernando riscam fósforos para debelar o mau cheiro produzido pelos gazes.
Foi a cagada aérea mais célebre da história política do Rio Grande do Norte.

Causo adaptado do livro: Causos 2001, de valério Mesquita. Edição 2001, páginas 49/50.