domingo, 6 de dezembro de 2009

O HUMOR DE MANÉ BERADEIRO


Tem coisas que acontecem na vida que são realmente cômicas e até constrangedoras. O causo que vem a seguir aconteceu naquela época em que Lavoisier Maia era Governador do Estado do Rio Grande do Norte.
A sede do governo era no Palácio Potengi, no centro da cidade. Lá havia um policial militar, corneteiro, com apelido de Maribondo. Cabia a Maribondo anunciar pelo toque marcial da corneta, tando a chegada quanto a saida do governador.
Aconteceu porém, que um dia, Maribondo tomou todas as que podia. Bebeu, farreou e chegou para trabalhar no Palácio Potengi só o projeto de homem. Era uma ressaca braba. Passou a noite ouvindo nos bares a música que mais fazia sucesso naquela época.
Maribondo estava presente apenas em corpo no trabalho. Adormeceu, sua mente vagava em outra dimensão. Fora então subitamente acordado para anunciar com a corneta a chegada do Governador Lavoisier maia que acabara de chegar ao Palácio Potengi.

Levanta-se Maribondo, mais perdido que cachorro quando cai de um caminhão de mudança. E sem ter consciência do que fazer ou que tocar. Leva a corneta aos lábios e toca aquilo que primeiro vem à sua mente: " Ô coisinha tão bonitinha do pai, ô coisinha tão bonitinha do pai..."



Foi uma situação e tanto.


São causos da nossa terra garimpados por Mané Beradeiro.

Fonte: Causos 2001, de Valério Mesquita. Página 47/48